Paraná

Saúde confirma casos da variante Ômicron em Maringá

O aumento de casos relacionados a problemas respiratórios deixou o município em alerta

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Imagem ilustrativa da notícia Saúde confirma casos da variante Ômicron em Maringá
fonte: PMM

Diversos casos relacionados a problemas respiratórios foram registrado em Maringá, Paraná, e isso deixou a Secretaria Municipal de Saúde em alerta. De acordo com o secretário de Saúde da cidade, Marcelo Puzzi, esse aumento está ligado à circulação da variante Ômicron, já confirmada no município. 

continua após publicidade

“O Ômicron tem uma característica de transmissibilidade maior que a Delta, porém o caso positivo, ela não traz tantas lesões graves como a Delta fazia […]. Por conta dessa taxa de transmissibilidade estar um pouco mais alta, é por causa dessa variante Ômicron que está tomando conta do estado do Paraná. Em Maringá, temos poucos casos com Ômicron, não são situações que nos gerem a determinar como surto, porém a gente está monitorando de perto”, afirma o secretário.

“A gente ainda não tem os dados [de quantidade de casos de Ômicron em Maringá], porque eles estão sob domínio do Estado. Não são muitos casos, posso dizer de antemão”, continua. 

continua após publicidade

Devido ao aumento da procura por atendimento médico, o município disponibilizou mais uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para atender pacientes com estes sintomas. 

“Neste final de semana, inclusive ontem [segunda, 3] durante a noite, reunimos toda equipe dos diretores das UBSs, incluindo as Unidades de Pronto Atendimento, UPA Zona Norte e UPA Zona Sul, para a gente redefinir os fluxos e dar melhor atendimento para a população. Dentro dessas novas definições, hoje [terça] já começamos atendimento da UPA Zona Norte como unidade mista, de acordo como já estava a Zona Sul”, explica Puzzi.

“Novas quatro UBSs serão centros de triagem apenas de testagem de pacientes com sintomas respiratórios ou não. Claro que nas UBSs serão pacientes com sintomas leves. Sintomas graves, mal estar grave, falta de ar, deverão procurar UPA Zona Norte ou Zona Sul”, complementa.

continua após publicidade

A boa notícia é que a taxa de positividade é baixa: em torno de 14%. Ou seja, a cada dez pessoas que fazem o teste, menos de duas têm resultado positivo para covid-19. 

“A maior parte desses pacientes que estão chegando à UPA e, também nas UBSs, são sintomas respiratórios leves que são da influenza comum ou pode ser mesmo da H3N2, que a gente leva para o Lacen em Curitiba para fazer o teste”, aponta o secretário de Saúde de Maringá.

As informações são do GMC Online.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News