Paraná terá R$ 23 milhões para ações de segurança alimentar - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Agricultura

Paraná terá R$ 23 milhões para ações de segurança alimentar

Foto por Agência de Notícias do Paraná
Escrito por Agência Estadual de Notícias do Paraná
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O governo federal vai liberar R$ 23 milhões ao Paraná para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) no Estado, em recursos dos ministérios da Agricultura e da Cidadania. A liberação vai ocorrer de forma urgente para atender municípios com alto índice de vulnerabilidade.

O anúncio foi feito durante live, solicitada pelo Ministério da Cidadania na quinta-feira (05), que discutiu o fortalecimento do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan) e o incentivo à maior adesão por parte dos municípios.

A live foi organizada pelo Departamento de Segurança Alimentar (Desan) da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, e contou com a participação de 87 pessoas, entre chefes de núcleos regionais, conselheiros e conselheiras de segurança alimentar e nutricional. Foi conduzida pelo secretário-executivo do Consea-PR, Valdenir Veloso Neto.  

A representante do governo federal, Viviane Dutra, justificou que o PAA tem uma dupla função que é a compra da produção do agricultor e disponibilizar como doação para a rede de proteção socioassistencial.

“O fortalecimento do PAA, agora em momento de pandemia, foi uma de nossas batalhas e sabemos que o Programa é forte no Paraná”, afirmou.

Ela propôs reforçar as políticas públicas de segurança alimentar e nutricional por meio de emendas parlamentares. Segundo Dutra, cada deputado tem à disposição cerca de R$ 16 milhões para emendas e que seria legítimo que aplicassem parte desses recursos em políticas de segurança alimentar e nutricional.

É comum – disse Viviane Dutra – a apresentação de emendas parlamentares na Saúde, na aquisição de veículos. “Agora precisamos articular e conversar com o parlamentar para colocar emenda em políticas públicas de segurança alimentar e nutricional nos municípios. Os orçamentos diminuíram e é fundamental que esse ministério conte com esse recurso”.

Ela justificou que o Ministério da Cidadania tem os planos de segurança alimentar e que a execução das políticas requer gestão intersetorial. Para isso é preciso ampliar o diálogo com outros ministérios, estados e municípios para compartilhar os investimentos com outros órgãos. “Não podemos fazer essa gestão de forma unilateral, só com o governo federal, porque a gestão está compartilhada”, afirmou.

Ela reforçou a necessidade de os municípios aderirem ao Sisan, para execução das políticas contra a fome e segurança alimentar. No Paraná 168 municípios já aderiram até agora. E há um trabalho intensivo do Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea-PR) para atingir a metade os municípios paranaenses até o ano que vem.

Dutra elogiou o trabalho feito no Paraná de convencimento dos municípios e disse que o Ministério da Cidadania deverá recorrer a um sistema de pontos para priorizar projetos dos municípios com adesão ao Sisan. “Sabemos que após a pandemia o número de pessoas com fome vai aumentar e desde já estamos trabalhando um novo mapa de insegurança alimentar e entendemos a necessidade de aumentar os recursos para o agricultor pobre que precisa receber pelo que produz e continuar com sua produção de subsistência”.

PARANÁ - A diretora do Desan, Marcia Stolarski, manifestou preocupação com o aumento da população vulnerável no Paraná em decorrência da pandemia e também citou a crise hídrica, uma das mais graves dos últimos 100 anos no Estado.

E tudo isso, disse ela, acontece num Estado que se destaca como potência agroalimentar, onde 15% dos estabelecimentos concentram 80% do Valor Bruto da Produção, que atingiu R$ 98 bilhões no ano passado.

Márcia citou estudo do Ipardes que menciona que se o Estado não adotar políticas públicas efetivas até 2030, 44% da população estará nas regiões metropolitanas de Curitiba, Londrina e Maringá. Segundo Stolarski, o secretário da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, estabeleceu as políticas sociais no meio rural em 2015 como caminho que une a preservação e a sustentabilidade, com a produção de alimentos orgânicos e redução das perdas, estimulando o cooperativismo e o associativismo no combate à fome.

O objetivo é chegar a 2030 com a redução da pobreza, das desigualdades e produção mais equilibrada, mais sustentável. “Não há outro caminho para reduzir conflitos que não seja a segurança alimentar”, destacou.

MINISTÉRIO PÚBLICO - Para o procurador Olympio de Sá Sotto Maior Neto, o Ministério Público tem responsabilidade institucional de atuar nesse tema, propondo medidas administrativas e judicais para garantir o direito humano à alimentação adequada.

Ele se comprometeu em reforçar o movimento de adesão dos municípios ao Sisan para que sejam constituídos os Conseas municipais e as Caisans (Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional) uma articulação que permite à população se manifestar e ao município ter um plano municipal tratando desse tema e que deve ser cumprido.

CONSEA PR- A presidente do Consea-PR, Roseli Pitner, frisou que o Paraná é um dos estados que mais tem dado atenção ao Sisan, graças ao trabalho de parceria com a Secretaria da Agricultura, que acolheu o tema e criou até um departamento exclusivo para a segurança alimentar no Estado.

Ela admitiu que há diálogo com o órgão público e defendeu mais regulamentação na execução na política de segurança alimentar e forte atuação dos conselhos de segurança alimentar.

SISAN- Tem como objetivo central a consecução do direito humano à alimentação adequada e da segurança alimentar e nutricional da população, além de integrar União, Estados e Municípios na implementação de políticas públicas na área.

Deixe seu comentário sobre: "Paraná terá R$ 23 milhões para ações de segurança alimentar"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.