Paraná

Mulheres que foram assassinadas em centro de umbanda são identificadas

O ex-namorado de uma das vítimas, que é considerado suspeito, foi ouvido pela polícia, mas ele negou ter cometido o crime, em Ibiporã

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
O crime foi registrado na madrugada de quinta-feira (21), em Ibiporã
fonte: Londrina News
O crime foi registrado na madrugada de quinta-feira (21), em Ibiporã

Um duplo homicídio foi registrado pela Polícia Militar (PM) durante a madrugada de quinta-feira (21), em Ibiporã, município da Região Metropolitana de Londrina, Paraná. 

continua após publicidade

De acordo com a corporação, um homem armado entrou em um centro religioso e efetuou disparos contra duas mulheres, identificadas como Andrea Sabino, de 49 anos, e Rebeca Kapusta, de 24. Elas eram sogra e nora.

O Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate), do Corpo de Bombeiros, foi acionado, mas nada pôde ser feito porque as vítimas morreram no local. Elas foram atingidas na região da face e do peito. 

continua após publicidade

Além disso, um bebê de apenas três meses, que estava no colo de uma das mulheres, sofreu um ferimento na mão. Segundo a PM, a criança foi socorrida e passa bem. 

Mais informações sobre o crime

Conforme a Polícia Militar, o duplo homicídio aconteceu em uma residência que funciona como um centro de umbanda. Uma testemunha informou que, durante a madrugada, o atirador chegou no local, não disse nada, efetuou os disparos e fugiu em uma motocicleta.

continua após publicidade

No momento do crime havia mais pessoas no imóvel. 

A polícia também obteve a informação de que uma das vítimas estava sendo ameaçada por um ex-namorado, o que o torna suspeito. 

Após ser identificado pela Polícia Civil (PC), ele foi intimado para prestar um depoimento, onde negou ter cometido o crime. 

continua após publicidade

O suspeito alegou à PC que no momento em que os assassinatos ocorreram, ele estava em casa.  A acompanhante dele também foi ouvida pela polícia.

A Polícia Civil disse que ambos foram liberados, pois não havia prova concreta de envolvimento nas mortes.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News