Paraná

Motociclista passa a mão em adolescente que caminhava no PR

Uma câmera de segurança registrou a movimentação do suspeito pelas ruas da região onde o fato ocorreu

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Imagem ilustrativa da notícia Motociclista passa a mão em adolescente que caminhava no PR
fonte: Banda B

Uma adolescente, de 14 anos, foi assediada por um motociclista, na tarde dessa quinta-feira (26), no momento em que caminhava por uma rua do bairro Xaxim, em Curitiba, Paraná. As informações são da Banda B

continua após publicidade

Uma pessoa presenciou o crime cometido e ajudou a vítima. O assediador fugiu na sequência. 

Uma câmera de segurança registrou a movimentação do suspeito pelas ruas da região onde o fato ocorreu. Veja:

continua após publicidade

null - Vídeo por: tnonline  

A testemunha que prestou ajuda à jovem concedeu uma entrevista à equipe de reportagem da Banda B e alegou que, como estava de carro, quase passou por cima da moto diante da raiva que sentiu ao presenciar o assédio. Já a família diz que ‘perdeu o chão tamanha revolta com a violência’.

A adolescente contou que viu o motociclista e, inicialmente, pensou que não pudesse acontecer qualquer situação indesejável. No entanto, ao descer a rua e perceber a aproximação do suspeito, seguiu seu caminho sem olhar para ele.

continua após publicidade

“Me afastei por medo, de que acontecesse alguma coisa. Então, depois…”, deu uma breve pausa. “Depois ele voltou e, nessa hora que voltou, pegou, estendeu a mão, bateu com tudo. Acabei indo para frente e quase caí no chão. Me assustei bastante na hora. Até que parou a moça, me ajudou e me levou para casa”, revelou a adolescente.

A testemunha chegou e levou a jovem para casa. Ela disse que viu o momento do assédio e se revoltou.

“Este cara deve ter passado na frente da minha casa, que tem câmeras. Eu fiquei com tanta raiva que quase passei meu carro por cima dele. Minha vontade era, sabe… mas, na hora, eu só pensei em ajudar ela. Me cortou o coração, eu pensei: e se fosse a minha filha. Que ódio que fiquei”, desabafou.

continua após publicidade

Depois de chegar em casa, a vítima foi à Delegacia da Polícia Civil (PC) acompanhada de uma familiar para registrar um boletim de ocorrência

O caso está sendo investigado. 

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News