Paraná

Médico é suspeito de cometer abuso em UPA no interior do Paraná

A paciente, de 23 anos, teria acionado a Guarda Municipal (GM) da cidade, alegando que o médico pediu para ela tirar a calcinha durante a consulta

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Procurada pela reportagem, a prefeitura de Londrina emitiu uma nota sobre o caso, repudiando esse tipo de comportamento
fonte: Reprodução / Prefeitura de Londrina
Procurada pela reportagem, a prefeitura de Londrina emitiu uma nota sobre o caso, repudiando esse tipo de comportamento

Um médico plantonista foi encaminhado para delegacia na manhã desta terça-feira, 12, em Londrina, região norte do Paraná, suspeito de assediar uma paciente em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da zona oeste cidade.

continua após publicidade

 A paciente, de 23 anos, teria acionado a Guarda Municipal (GM) da cidade, alegando que o médico pediu para ela tirar a calcinha durante a consulta, para tomar uma injeção nas nádegas. Ela procurou atendimento por conta de uma dor de garganta.

 O médico suspeito e a paciente foram encaminhados para Delegacia da Polícia Civil, onde foram ouvidos pelo delegado Roberto Fernandes. O médico nega todas as acusações.

continua após publicidade

"A moça disse em seu depoimento que teria ficado constrangida  com as perguntas e elogios que o médico teria feito para ela dentro do consultório e que ele teria perguntado se ela estava usando calcinha. Ela disse que saiu do consultório chorando e que, nas palavras dela, se sentiu um lixo", contou o delegado Roberto Fernandes.

"O médico nega todas as acusações. Ele contou em depoimento que em nenhum momento teria feito elogios ou perguntas importunas para a paciente. Também disse que não tocou nela em momento algum e que ela teria dito para ele que estava sem calcinha, quando soube que tomaria uma injeção. Ele assinou um Termo Circunstanciado (TC) e se comprometeu a comparecer a uma audiência para prestar mais esclarecimentos. Em seguida, ele foi liberado", informou o delegado.

- SAIBA MAIS: Anestesista é preso em flagrante por abusar de grávida durante cesárea

continua após publicidade

Segundo relato da vítima, ela teria vindo do Mato Grosso para Londrina para fazer um tratamento. Durante a viagem, dentro do ônibus ela também teria sido vítima de assédio, pois um homem teria passado as mãos nela enquanto ela dormia. Ela contou que o suspeito pediu para o motorista parar o ônibus e fugiu.   

Procurada pela reportagem, a prefeitura de Londrina emitiu uma nota sobre o caso, repudiando esse tipo de comportamento.

 “Em relação ao suposto caso de assédio na UPA do Jardim do Sol, a Secretaria Municipal de Saúde esclarece que repudia veemente qualquer atitude ou comportamento deste tipo e que no que nos compete estará à disposição das autoridades policiais para esclarecer o caso”, declarou a prefeitura por meio de nota.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News