Lei em homenagem a primeira engenheira negra do Brasil é aprovada - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Enedina Marques

Lei em homenagem a primeira engenheira negra do Brasil é aprovada

Foto por ALEP
Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O projeto de 973/2019, de autoria dos deputados Goura (PDT) e Do Carmo (PSL), que homenageia Enedina Marques, pioneira da engenheira do Paraná e primeira mulher negra do Brasil a se formar em Engenharia, foi aprovado em segunda discussão, nesta terça-feira (28), na Assembleia Legislativa do Paraná, e seguirá para sanção do governador, visto que houve a dispensa da votação em redação final.

A proposta dá o nome da engenheira ao trecho da rodovia PR-340 entre as localidades de Cacatu e Cachoeira de Cima, em Antonina onde se inicia a estrada de acesso à então Usina Capivari-Cachoeira, que depois recebeu novo nome em homenagem ao Governador Pedro Viriato Parigot de Souza, que foi governador do Paraná entre 1971 e 1973..

Foi justamente o projeto de aproveitamento das águas dos rios Capivari e Cachoeira para a construção da usina que é reconhecido como o seu maior feito na engenharia, enquanto trabalhou no Departamento Estadual de Águas e Energia Elétrica do Paraná da Secretaria de Estado de Viação e Obras Públicas. Ela também trabalhou no desenvolvimento do Plano Hidrelétrico do Paraná em diversos rios do estado.

“A Enedina foi uma mulher que esteve à frente do seu tempo. Não aceitou os padrões sociais injustos e provincianos de sua época. Sonhou e ousou muito. Superou muitos obstáculos para conquistar o seu espaço, mas teve reconhecido os seus méritos ainda em vida”, disse o deputado Goura.

Primeira engenheira - Enedina Marques foi a primeira mulher a se graduar em Engenharia Civil no Estado do Paraná, em 1945, na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Além disso, foi a primeira mulher negra no Brasil a se formar em engenharia e a primeira mulher a ter essa graduação.

O deputado conta que Enedina venceu diversas barreiras para chegar à universidade. “Ela enfrentou discriminação por parte de alunos e de alguns professores. Mas ela conquistou amigos e solidariedade dentro e fora do curso, que concluiu aos 32 anos”, lembra.

Deixe seu comentário sobre: "Lei em homenagem a primeira engenheira negra do Brasil é aprovada"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.