Imposto cobrado de estabelecimentos farmacêuticos preocupa setor - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Paraná

Imposto cobrado de estabelecimentos farmacêuticos preocupa setor

Foto por Assessoria Parlamentar
Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

Desde o início de julho, a Receita Estadual tem encaminhado a proprietários de estabelecimentos farmacêuticos notificações exigindo a autorregularização da cobrança do ICMS-ST. O documento trata da substituição tributária sobre medicamentos bonificados. A cobrança dos valores preocupa representantes do setor, principalmente dos pequenos estabelecimentos. Eles alegam que a necessidade do pagamento, que em muitas vezes ultrapassa a quantia de R$ 300 mil, vai acarretar o fechamento de farmácias no Paraná.

Para encontrar uma solução para o problema, a Assembleia Legislativa do Paraná realizou nesta segunda (10) uma audiência pública remota reunindo parlamentares, representantes do setor e comerciantes. O encontro foi proposto pelos deputados Michele Caputo (PSDB), Mabel Canto (PSC) e Nelson Luersen (PDT). Os deputados querem que a cobrança do ICMS-ST para o setor seja revista ou suspensa, uma vez que muitos comerciantes alegam que não conseguiriam arcar com os valores devidos.

Uma das hipóteses apresentadas para geração do problema é que distribuidoras de remédio passaram a responsabilidade tributária para as farmácias. “Estamos buscando junto ao Executivo, à Secretaria da Fazenda e à Receita Estadual uma solução. Os estabelecimentos que não fizerem a autorregularização poderão ser autuados pela Receita. Em alguns casos, farmácias no interior com apenas um funcionário terão de pagar valores que chegam à R$ 300 mil”, exemplifica Caputo. O prazo para a regularização, que estava estipulado para 30 de agosto, foi prorrogado para dia 1 de novembro.

Entre as medidas sugeridas pelo parlamentar após discussão com as entidades de classe estão: ampliação do prazo para maior discussão, revisão dos valores cobrados, instituição de programas de parcelamento, redução de multas e juros, entre outros. Para Caputo, isso é essencial para manutenção do setor. “Trata-se de medidas fundamentais para a continuidade das atividades deste importante segmento comercial e, principalmente, de saúde pública”.

A deputada Mabel Canto manifestou sua preocupação com as pequenas farmácias no interior do Estado. “Fomos procurados por representantes das farmácias e nos mobilizamos na Assembleia. Tenho certeza de que esta audiência pública vai contribuir para encontrarmos uma solução”, disse Mabel. Nelson Luersen avaliou que, mesmo o Estado precisando arrecadar, não é taxando os pequenos farmacêuticos que isto vai acontecer. “Os pequenos já têm dificuldades de concorrer com as grandes redes. Eles não podem ser penalizados com esta cobrança”, afirmou Luersen.

O representante do Sistema Fecomércio Sesc Senac PR, Edenir Zandoná, explicou que mais de quatro mil estabelecimentos farmacêuticos foram notificados no Paraná sobre o imposto devido. Segundo ele, farmácias foram coagidas por distribuidoras a comprar os medicamentos bonificados, por isso o surgimento do problema. “Entendemos que esta conta não é das farmácias e sim dos distribuidores. A continuidade da cobrança significa o fechamento de mais de 50% das farmácias do Estado”, alertou.

É o que acredita a presidente do Conselho Regional de Farmácia do Estado do Paraná (CRF-PR), Miriam Ramos Fiorentin. Ela informou que 65% dos estabelecimentos pertencem aos próprios farmacêuticos. “Todos tomaram um susto com a cobrança. Ela é injusta. Precisamos de um olhar especial neste momento. Queremos acabar ou minimizar esta cobrança”, defendeu.  

Para o farmacêutico Fábio Francisco de Queiroz, a discussão ultrapassa a barreira tributária e se torna um debate sobre saúde pública. “São estes estabelecimentos que levam saúde para a população em pequenas localidades e nas periferias. A cobrança do imposto vai inviabilizar o funcionamento destas farmácias”, alegou.

Participações – Também participaram da audiência os deputados Arilson Chiorato (PT), Evandro Araújo (PSC) e Soldado Fruet (PROS), representantes dos deputados Luiz Claudio Romanelli (PSB e Cristina Silvestri (CDN), além do representante do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PR), Rafael Aires, os representantes da rede Drogamais, Tadeu Imoto, e da rede Farma, Luciano Almeida, e o representante da Ordem dos Advogados do Brasil seção Paraná (OAB-PR), José Meira Junior. De acordo com o deputado Michele Caputo, representantes da Secretaria da Fazenda e da Receita Estadual foram convidados a participar debate.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Imposto cobrado de estabelecimentos farmacêuticos preocupa setor"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Todos os candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.