Paraná

IAT alerta para aparecimento de animais silvestres em áreas urbanas

IAT alerta para aparecimento de animais silvestres em áreas urbanas

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia IAT alerta para aparecimento de animais silvestres em áreas urbanas
fonte: Agência de Notícias do Paraná
IAT alerta para aparecimento de animais silvestres em áreas urbanas

Moradores do bairro Porto Seguro, em Paranaguá, no Litoral do Estado, convivem com um jacaré-de-papo-amarelo que surgiu há duas semanas no Rio da Vila, afluente do Rio Itiberê. Com cerca de 1,5 metro de comprimento, o animal da espécie Caiman latirostris é jovem e aparece na beira do rio para se aquecer com os raios solares, escondendo-se novamente no fundo das águas.

continua após publicidade

De acordo com a bióloga Fernanda Felisbino, do Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, o animal chama a atenção de moradores, mas está no seu habitat natural. “É o ambiente natural dele. O que aconteceu foi a expansão urbana, que acabou ilhando animais como esse em lugares pequenos”.

Esses animais vivem em bacias litorâneas nos rios da Mata Atlântica e a proximidade de uma Unidade de Conservação – o Parque Estadual do Palmito – explica a aparição do réptil em perímetro urbano. Considerados animais de sangue frio (ectortérmicos), os jacarés normalmente se aquecem em repouso na beira dos rios nas horas mais quentes do dia.

continua após publicidade

A bióloga lembra que eles são carnívoros de topo de cadeia e, por isso, importantes para a manutenção do ciclo de vida natural ao se alimentarem de animais mais velhos e doentes que não conseguem escapar de suas investidas.

A orientação do órgão ambiental é não se aproximar. A bióloga também alerta que maltratar qualquer tipo de animal é crime.

O artigo 24 do Decreto Federal nº 6.514/2008 declara como crime contra a fauna matar, perseguir, caçar, apanhar, coletar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, com a pena variando entre detenção de seis meses a um ano e multa.

continua após publicidade

RESGATES - Duas onças-pardas foram resgatadas em áreas urbanas no mês passado e devolvidas ao habitat natural. Uma delas estava em uma árvore no terreno de uma casa no município de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, e foi solta na Serra do Mar, em uma parceria que envolveu o IAT, Corpo de Bombeiros, Polícia Ambiental - Força Verde, Zoológico de Curitiba e Guarda Municipal de São José dos Pinhais.

O outro animal foi achado no assoalho de uma casa em Quedas do Iguaçu, no Oeste. O felino também foi resgatado em segurança e encaminhado ao Zoológico de Cascavel.

Ao se deparar com animais selvagens, a orientação é acionar o Batalhão de Polícia Ambiental - Força Verde pelo telefone 180, o Corpo de Bombeiros (181) ou o escritório regional do IAT mais próximo. Em Curitiba o telefone do órgão ambiental é (41) 3213-3038. Não é indicado se aproximar dos animais, nem tentar imobilizá-los sem a ajuda de profissionais.

continua após publicidade

Família de gambás é encontrada em residência em Paranaguá

Uma família de gambás foi encontrada nesta terça-feira (08) no forro de uma residência na Ilha dos Valadares, pertencente ao município do Paranaguá, no Litoral do Estado. A mãe e os seis filhotes foram devolvidos ao habitat natural, no Parque Estadual do Palmito nesta quarta-feira (09).

Os animais foram resgatados por técnicos do Instituto Água e Terra (IAT), em parceria com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Guarda Municipal de Paranaguá.

A casa onde a família de gambás foi encontrada é de um casal de idosos, que cuidadosamente os colocaram em uma caixa com furos para garantir a respiração dos animais. A bióloga e chefe do Setor de Fauna do IAT, Paula Vidolin, ressalta que o procedimento foi correto e que é necessário sempre acionar os órgãos ambientais para informar o aparecimento de animais silvestres.

“São os órgãos ambientais que irão providenciar o resgate e a soltura dos animais em ambientes seguros”. afirmou. Os gambás contribuem para a saúde humana, pois se alimentam de carrapatos que transmitem doenças, ou seja, são controladores de zoonoses e pragas.

Tags relacionadas: #animais silvestres #IAT #paraná