Paraná

Funcionários do transporte público entram de greve

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Funcionários do transporte público entram de greve
fonte: Reprodução/N.com
Funcionários do transporte público entram de greve

Nesta sexta-feira (09), trabalhadores do transporte público de Londrina decidiram entrar de greve por falta de salário. Uma assembleia foi realizada e, após o encontro, foi decidido a paralisação

continua após publicidade

Segundo informações, duas empresas não haviam efetuado os depósitos até esta quinta-feira (08). O Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviários de Londrina (SINTTROL) relata que somente a empresa que realiza o serviço intermunicipal depositou o pagamento, mas somente 55% do valor devido. Os funcionários receberam a informação de que o resto deve ser pago na semana que vem.

De acordo com José Faleiros, representante do SINTTROL, a categoria decidiu entrar de greve e há total apoio do sindicato. “Não há alternativa para fazer valer o direito de receber salários. Pode haver novidade e os trabalhadores voltarem a trabalhar. Mas para isso, depende do pagamento dos salários em dia”.

continua após publicidade

Na madrugada desta sexta, ocorreu um encontro entre o diretor da Transportes Coletivos Grande Londrina (TCGL) e os motoristas e cobradores, porém não uma previsão para a regularização dos pagamentos. 

Paralisação em Maringá

Usuários do transporte coletivo de Maringá foram pegos de surpresa nesta quinta-feira (08), pela manhã, pois não havia ônibus circulando pela cidade. Os motoristas da empresa TCCC (Transporte Coletivo Cidade Canção) e Cidade Verde, cruzaram os braços por desacordo trabalhista. Segundo o sindicato da categoria, o motivo da greve é a falta de pagamento de salário que deveria ter sido feito na quarta-feira (07).

continua após publicidade

A informação é da Rádio CBN e segundo a publicação, esta é a segunda vez desde fevereiro que a categoria para pelo mesmo problema. Na segunda semana de fevereiro, foram oito dias de greve no transporte coletivo na metrópole.

Na ocasião, o presidente do sindicato, Emerson Viana Silva disse que aquela greve havia acabado, no entanto a luta ainda não. Ele se referia a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), entre outras reivindicações da categoria.

Com informações; Tarobá News.