Fiscalização leva Hospital da UEL a anular licitação de R$ 4,1 milhões - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Justiça

Fiscalização leva Hospital da UEL a anular licitação de R$ 4,1 milhões

Foto por TCE-PR
Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

A Universidade Estadual de Londrina anulou o Pregão Eletrônico para Registro de Preços nº 75/2020, realizado pelo Hospital Universitário da instituição para adquirir órteses e próteses cardiovasculares, pelo valor máximo de R$ 4.112.498,26. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado do Paraná desta segunda-feira (5 de outubro). Órteses são aparelhos ou dispositivos destinados a suprir ou corrigir deficiências de um órgão ou membro do corpo humano. Já a função da prótese é substituir esse órgão ou membro, destruído ou gravemente acometido.

Na avaliação do processo de licitação da UEL, os analistas da Sétima Inspetoria de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado do Paraná verificaram impropriedades que poderiam resultar na aplicação inadequada de recursos públicos. Unidade do TCE-PR atualmente responsável pela fiscalização das universidades estaduais, a 7ª ICE apontou a inadequação da pesquisa de mercado para a formação dos preços máximos do edital, a ausência de motivação e estudos técnicos para a definição dos quantitativos previstos e a existência de especificações técnicas restritivas.

A 7ª ICE, que tem como superintendente o conselheiro Ivens Linhares, emitiu Apontamento Preliminar de Acompanhamento (APA) à UEL, indicando as impropriedades presentes no edital do Pregão Eletrônico 75/20 e solicitando a adoção de medidas corretivas. Em decorrência dos apontamentos realizados, a universidade decidiu anular o certame, com o objetivo de realizar as correções necessárias, evitando, dessa forma, a aplicação recursos públicos de forma equivocada.

Oportunidade de correção

Instituído pela Instrução Normativa nº 122/2016, o APA é uma oportunidade concedida pelo TCE-PR aos gestores para corrigir falhas verificadas pelo órgão na fiscalização preventiva, sem que seja necessária a abertura de processo administrativo, cujo trâmite é mais demorado e custoso.

Quando os administradores não corrigem as falhas apontadas, ficam sujeitos a Tomada de Contas Extraordinária. Nesse caso, a Lei Orgânica do TCE-PR (Lei Complementar Estadual nº 113/2005) prevê a aplicação de multas administrativas, fixas e proporcionais ao valor do dano ao patrimônio público, devolução dos recursos e outras sanções.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Fiscalização leva Hospital da UEL a anular licitação de R$ 4,1 milhões"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.