Paraná

Delegados mantém manifesto contra falta de diálogo ao Estado

Delegados de Polícia Civil do Estado já estão há duas semanas mantendo medidas de restrição de serviços à população como forma de pressionar estado ao diálogo

Da Redação ·
Imagem ilustrativa
fonte: Polícia Civil
Imagem ilustrativa

Desde a assembleia geral realizada em 1º. de abril, os delegados de polícia civil do Paraná mantêm o protesto contra a falta de diálogo com o governo do estado, principalmente pela negativa de reposição das perdas salariais acumuladas nos últimos seis anos, cerca de 30% e por conta da alta demanda de trabalhos no interior do estado, onde existem delegados designados em apenas 121 das 399 cidades do Paraná.

continua após publicidade

Dentre as principais orientações classistas, deliberadas na assembleia conjunta realizada pela Associação dos Delegados de Polícia Civil do PARANÁ (Adepol) e pelo Sindicado dos Delegados de Polícia do Paraná (Sidepol), estão a de não aderir a nenhuma força tarefa, mesmo que seja paga uma diária extrajornada e só se deslocarem pessoalmente em casos de crimes graves, mas apenas até a chegada dos peritos criminais.

Outra decisão da categoria é o cumprimento de apenas 40 horas de trabalho protocolares, com período de descanso integral aos servidores. Além disso, os delegados também deliberaram por não fornecer entrevistas aos meios de comunicação;  valorizar a classe através das redes sociais e também mantém a posição de não se comunicarem com as autoridades do governo do estado por aplicativos de mensagens, apenas pelos meios oficiais.

continua após publicidade

Nesta manhã de segunda-feira (11), em Curitiba, um grupo de policiais civis fez uma manifestação em protesto contra a falta de diálogo do estado durante um evento de inauguração organizado pelo governo. Foi na inauguração do Detranzinho, no Tarumã. Os policiais civis distribuíram vídeos nas redes sociais quando a manifestação deles teria sido reprimida pelos policiais militares.

A Adepol voltou a publicar em seu site o manifesto dos delegados da Civil, no fim de semana,  “devido a notória falta de investimentos e a desvalorização dos Delegados de Polícia do Paraná”. Segundo a nota das entidades, o protesto se dá pela negativa da reposição das perdas salariais dos últimos seis anos (cerca de de 30%) “e nenhum diálogo por parte do governador do Paraná”. De acordo com o documento, as orientações classistas distribuídas e que teriam adesão de toda a categoria no Paraná, são “em repúdio ao desrespeito com a alta demanda de trabalho”, particularmente no interior por falta de pessoa, uma defasagem de pessoal “que obrigaria aos servidores policiais civis a trabalharem inclusive em seus dias de folga para atender a população”.

Na semana passada o Governo do Estado emitiu nota informando que mantinha aberto o canal de diálogo com a categoria, além de afirmar que havia feito avanços anteriormente represados no estado.