Mais lidas

    Paraná

    LULA

    Dallagnol aponta risco de ‘retrocesso’ após anulação de condenações

    Dallagnol aponta risco de ‘retrocesso’ após anulação de condenações
    Foto por Reprodução
    Escrito por Da Redação
    Publicado em 08.03.2021, 20:13:13 Editado em 08.03.2021, 20:14:02
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    O ex-coordenador da Lava Jato no Paraná, procurador Deltan Dallagnol, apontou risco de “retrocesso” no combate à corrupção no País, após a decisão do ministro do Supremo Tribunal, Edson Fachin, de anular as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos processos da operação na Justiça Federal de Curitiba. Em nota divulgada nas redes sociais, Dallagnol alega que a condução dos casos em Curitiba foi decidida “’n’ vezes pelos tribunais” e que a operação “seguiu as regras do jogo então existentes”.

    Dallagnol aponta que recentemente, o STF retirou de Curitiba casos envolvendo políticos do MDB em corrupção na Transpetro. E que “embora então vencido, o Min. Fachin entendeu que o Tribunal precisava ser coerente e ‘apartidário’, aplicando o mesmo entendimento ao ex-presidente”.

    “Concluímos que ele (Fachin), apesar de entender de forma diferente, aplicou o entendimento estabelecido pela maioria da 2ª Turma do STF”, avaliou o procurador. Dallagnol critica no texto o sistema de Justiça que, segundo ele, “rediscute e redecide (sic) o mesmo dezenas de vezes e favorece a anulação dos processos criminais”, e que esse sistema “precisa de aperfeiçoamentos”.

    “Processos envolvendo o ex-presidente serão retomados em breve em Brasília, mas com reais chances de prescrição. Várias questões serão rediscutidas nos tribunais. Nada disso, contudo, apaga a consistência dos fatos e provas, sobre os quais caberá ao Judiciário a última palavra”, alega Dallagnol.

    “Saindo do caso concreto, é preciso abrir os olhos p/ os amplos retrocessos que estão acontecendo no combate à corrupção, p. ex: fim da prisão em 2ª instância; novas regras que dificultam investigações e condenações; propostas que desfiguram a lei de lavagem e de improbidade”, afirma o procurador.

    “Precisamos discutir essas amplas mudanças em curso (e aqui não falo mais do caso concreto) para decidir se queremos ser o país da impunidade e da corrupção, que corre o risco de retroceder vinte anos no combate a esse mal, ou um país democrático em que impere a lei”, conclui Dallagnol.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Paraná

    Deixe seu comentário sobre: "Dallagnol aponta risco de ‘retrocesso’ após anulação de condenações"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.