Covid-19: "Nem sempre os finais são felizes como esse", diz médico sobre alta do pai - TNOnline
Mais lidas

    Paraná

    Coronavírus

    Covid-19: "Nem sempre os finais são felizes como esse", diz médico sobre alta do pai

    Covid-19: "Nem sempre os finais são felizes como esse", diz médico sobre alta do pai
    Foto por Divulgação
    Escrito por Da Redação
    Publicado em 27.01.2021, 10:21:35 Editado em 27.01.2021, 10:21:42
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    Na última sexta-feira (22), Jarbas da Silva Motta, de 69 anos, recebeu alta hospitalar após ficar 37 dias internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com o novo coronavírus, no Hospital Marcelino Champagnat, em Curitiba. “Nunca acreditei em Deus, mas agora sei que Deus é o amor que sentimos”, disse Jarbas. 

    O momento, que aconteceu na sexta-feira, gerou grande emoção, pois o filho do aposentado, Jarbas da Silva Motta, é um dos principais médicos que está atuando na linha de frente da instituição.

    “Hoje sou só gratidão, a todos os profissionais que me acolheram e me cuidaram tão bem. Sinto que invertemos um pouco os papéis na família, agora sou um pouco filho e ele é um pouco pai”, relata o idoso.

    O médico transferiu o pai da cidade de Igrejinha, no Rio Grande do Sul, para Curitiba, no Paraná, dois dias após o aposentado ter positivado para a Covid-19. “Tive a sorte de participar da alta de vários pacientes, mas essa é especial. Agora ganhei mais um filho e pude comprovar o quanto a minha equipe da UTI é dedicada. O mérito da alta de hoje é dele e da equipe aqui do hospital”, argumenta.

    Atuando contra a pandemia do novo coronavírus desde março de 2020, Jarbas Junior não ficou à frente dos cuidados do pai, pois não queria deixar que a emoção atrapalhasse na tomada de decisões.

    No momento em que o quadro clínico do pai piorou, o médico se afastou da UTI e passou a atuar em outra ala do hospital. 

    “Assim que ele chegou aqui no hospital, olhei para a equipe e disse que a partir daquele momento eu era apenas filho. Vi a dedicação de cada um e percebi como é estar do outro lado. Muitas vezes a gente atua no automático, tudo para salvar a vida do paciente, esquecendo da família que está aflita lá fora. Tudo fica como um grande aprendizado”, conta. “Por tudo isso, mais uma vez ressalto: a vacina chegou, mas não é hora de nos descuidarmos. Essa doença é grave e nem sempre os finais são felizes como esse”, conta.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Paraná

    Deixe seu comentário sobre: "Covid-19: "Nem sempre os finais são felizes como esse", diz médico sobre alta do pai"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.