Paraná

Celular salva PM que levou tiro de fuzil em Guarapuava

Nas redes sociais, a filha do policial Wendler, Anne Wendler, compartilhou vídeos do aparelho que pode ter salvado a vida dele

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Celular salva PM que levou tiro de fuzil em Guarapuava
fonte: Instagram/ Arquivo pessoal

Um dos três policiais que estavam na viatura alvejada em Guarapuava durante uma tentativa de assalto a uma empresa de transporte de valores foi salvo graças a um celular que estava no bolso do uniforme.

continua após publicidade

Nas redes sociais, a filha do policial Wendler, Anne Wendler, compartilhou vídeos do aparelho que pode ter salvado a vida dele. Nas imagens, é possível ver a marca do tiro que transpassou a farda do militar e alvejou o celular.

“Meu pai levou um tiro de fuzil no peito ontem. Se estivesse só com o colete… Mas o celular amorteceu o impacto, e graças a Deus ele está bem. Obrigada a todos pelas orações”, escreveu a psicóloga.

continua após publicidade

Os três policiais deixaram o 16º Batalhão da Polícia Militar (BPM) de Guarapuava no domingo (17/4), por volta das 22h30, para início de uma ronda. Assim que saíram, foram surpreendidos pelos criminosos.

Outro policial que estava na viatura, Ricieri Chagas foi alvejado na cabeça. Ele segue internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Vicente de Paulo, em Guarapuava. Ele precisa de doações de sangue em decorrência da gravidade do ferimento.

No momento do ataque, Wendler, único militar que não foi gravemente ferido, levou Chagas à unidade hospitalar. O terceiro policial, José Douglas Bonato, quebrou a perna e relatou em um áudio o terror do momento.

continua após publicidade

“Daí eu pensei que eles ‘iam matar nós’ de vez ali, cara. Só que eu não vi nada. Eu me joguei da viatura, e a viatura bateu, acho. Rastejei no mato e consegui forçar o torniquete. Só que daí eu desci da barca e pisei, eu acho que quebrou de vez a perna. Daí o Wendler [terceiro policial] não conseguiu me resgatar, mas fez certo, tocou pro hospital com o Ricieri”, contou o agente de segurança.