Paraná

Alimentos arrecadados pela Cesta Solidária começam ser distribuídos

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Alimentos arrecadados pela Cesta Solidária começam ser distribuídos
Alimentos arrecadados pela Cesta Solidária começam ser distribuídos

Caminhões lotados de mantimentos partiram neste final de semana de Curitiba para o Interior do Paraná. A carga tem destino certo: as mesas de famílias paranaenses que estão sendo impactadas pela pandemia do novo coronavírus. As cestas básicas que começaram a ser distribuídas nesta semana foram doadas na campanha Cesta Solidária Paraná, que arrecadou 150 toneladas de alimentos.

continua após publicidade

A campanha faz parte da força-tarefa Menos Eu, Mais Nós, da Superintendência Geral de Ação Solidária do Governo do Estado, promovida entre os dias 18 e 27 de maio em parceria com a Assembleia Legislativa, o Tribunal de Justiça, Ministério Público e o Tribunal de Contas do Estado. A Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) e empresas paranaenses também contribuíram com as doações.

Ao longo da última semana, servidores públicos e toda a sociedade se mobilizaram para entregar os alimentos e produtos de higiene e limpeza através de um sistema de drive-trhu, montado em diferentes cidades paranaenses.

continua após publicidade

Para a primeira-dama Luciana Saito Massa, que preside o Conselho de Ação Solidária, a doação de cada um foi fundamental para arrecadar uma quantidade significativa de alimentos, que fará a diferença na mesa das famílias mais vulneráveis. “Quero agradecer a cada um que fez parte, doou e ajudou a organizar e receber esses alimentos. Finalizamos essa campanha com um sucesso enorme”, disse.

DISTRIBUIÇÃO – A distribuição dos alimentos está sendo feita pela Coordenadoria Estadual da Defesa Civil desde a quinta-feira (28), começando pelos municípios da Região Metropolitana de Curitiba. Agora, as cestas básicas seguem para o Interior, para serem entregues a famílias de todo o Paraná. Neste final de semana, os caminhões partiram rumo às regionais da Defesa Civil, que serão responsáveis pela distribuição nos municípios.

O chefe da Divisão de Gestão de Desastres da Defesa Civil, major Daniel Lorenzetto, que participa da distribuição das doações, destacou que o trabalho é feito a muitas mãos. “Logo que a arrecadação finalizou, iniciamos o processo de separação e distribuição das cestas, que vão contemplar famílias do Paraná inteiro”, disse. “Várias equipes estão fazendo as entregas nos municípios, organizando a logística de transporte e a distribuição nas casas”, explicou.

continua após publicidade

COMIDA NA MESA – Na sexta-feira (28), a entrega foi feita a famílias de Agudos do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, e chegou até a casa de José Roberto da Silva, de 58 anos, para alimentar ele, a esposa e o neto de oito anos. A cesta básica foi um alento, já que Silva está há dois anos sem trabalhar, depois de um acidente que comprometeu sua coluna.

A dificuldade de pôr comida na mesa ficou ainda maior com a pandemia do novo coronavírus. “A cesta chegou em um momento que a gente estava precisando. Eu e minha mulher cuidamos do nosso neto desde pequeno e desde a cirurgia que fiz na coluna dependemos da ajuda de outras pessoas”, conta. “É uma ação muito bonita, as pessoas que têm mais condições estão ajudando quem precisa. A gente precisa muito, é dessa forma que a gente consegue comer”, disse.

AFETADOS
Além das famílias em situação de vulnerabilidade social, muitas pessoas que tinham trabalho viram sua renda diminuir por causa da pandemia e também serão beneficiadas pelas cestas básicas.

continua após publicidade

“Há cerca de três meses, famílias que não precisariam dessa ajuda, hoje estão em dificuldades. São pessoas que tinham seus empregos, comércio e vendedores ambulantes que precisam ser assistidas com a cesta básica e outros benefícios. A demanda é muito grande”, afirmou o coordenador do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) de Agudos do Sul, Claudinei Hitnak.

É o caso do autônomo Paulo Fernandes da Silva, de 34 anos, que trabalha como corretor imobiliário, mas viu os clientes diminuírem nos últimos meses. “Estou evitando sair de casa e não posso levar os clientes para visitar os imóveis, deu uma enfraquecida muito drástica”, contou. “Para nós é uma ajuda imensa, só minha esposa está trabalhando e também diminuíram a carga horária e o salário dela. A cesta básica vem em boa hora, por causa da situação que estamos”, completou.