Paraná

'A variante Ômicron vai chegar ao Paraná, se já não chegou'

O secretário de Estado de Saúde, Beto Preto, alertou sobre a variante Ômicron da Covid-19

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia 'A variante Ômicron vai chegar ao Paraná, se já não chegou'
fonte: AEN/ Ilustração

Em entrevista ao telejornal Bom Dia Paraná, da RPC, na manhã desta segunda (13), o secretário de Estado de Saúde, Beto Preto, alertou sobre a variante Ômicron da Covid-19. “A variante Ômicron vai chegar ao Paraná, se já não chegou". Ele também pediu mais uma vez que os paranaenses, principalmente aqueles que não tomaram a segunda dose, se imunizem o mais rápido possível. Segundo a secretaria, mais de 1 milhão de paranaenses não completaram o calendário de vacinação. "Grande parte dos óbitos nos últimos dois meses tem relação direta com a falta da imunização completa ou mesmo de pessoas que não tomaram nem a primeira dose. É um apelo que faço, nós chegamos até aqui pelas vacinas", afirmou ele. 

continua após publicidade

Já foram descartados no Estado sete casos suspeitos da Ômicron em Curitiba e Foz do Iguaçu. Os pacientes tiveram contato com o primeiro caso de Ômicron, em um vôo internacional.  “Todos os casos que tiveram contato foram testados e descartados. Insisto em dizer que vamos tê-la em algum momento, e estamos aprendendo a se portar diante do momento e vamos enfrentar. Se vacinem, temos doses à disposição, inclusive da Janssen. A vacinação será o nosso salvo conduto para os próximos 90 dias”, ressaltou Beto Preto.

Máscaras

continua após publicidade

A chegada da Ômicron adiou os planos do governo do Paraná de flexibilizar o uso de máscaras em lugares abertos. “A gente tinha se preparado para o dia 15 de dezembro para conversarmos com a Assembleia para liberar o uso de máscaras em ambientes abertos, mas entramos em compasso de espera. Diante disso, é preciso cautela na tomada de decisão”, disse Beto Preto.

Cenário brasileiro

O Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que "deve haver" mais do que 11 casos da variante Ômicron no Brasil, no evento de inauguração do Biobanco Covid-19 (BC19) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), nesta segunda-feira, 13. Queiroga também afirmou que não se deve punir países que identifiquem variantes do vírus causador da covid-19. "Vivemos espreitados por outras possíveis variantes desse vírus, como é o caso da variante Ômicron", declarou. "Já foram identificados 11 casos aqui no Brasil e com certeza deve haver mais." "Temos que aplaudir quem identifica essas variantes do vírus", afirmou o chefe da pasta da Saúde sobre as nações que detectam mutações do novo coronavírus. Para ele, esses países ajudam outros a melhor se preparar para combater essas ameaças.

continua após publicidade

No entanto, conforme portaria publicada na quinta-feira, 9, o Brasil mantém bloqueios de voos e viajantes vindos da África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue. A variante Ômicron foi identificada pela primeira vez na África do Sul e em Botsuana.

Primeira morte no Reino Unido

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou nesta segunda-feira, 13, que o país registrou a primeira morte por causa da nova variante Ômicron. Johnson disse que a nova variante está provocando aumento no número de internações hospitalares e incentivou a imunização de reforço.

continua após publicidade

"Acho que a ideia de que esta é, de alguma forma, uma versão mais branda do vírus, é algo que precisamos deixar de lado e apenas reconhecer o simples ritmo com que ele (Ômicron) avança pela população", disse Johnson. "A melhor coisa que podemos fazer é obter nossas doses de reforço", acrescentou

Com informações, Bem Paraná