Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Paraná

Consórcios podem iniciar estudos da ferrovia entre Paraná e MS

.

Consórcios podem iniciar estudos da ferrovia entre Paraná e MS
Consórcios podem iniciar estudos da ferrovia entre Paraná e MS

O governador Beto Richa autorizou  a abertura dos estudos de engenharia e de viabilidade técnica, ambiental e econômica para implantação de uma nova ferrovia, com cerca de 1.000 quilômetros de extensão, que ligará o Porto de Paranaguá a Dourados, no Mato Grosso do Sul.

A assinatura do termo técnico foi no Palácio Iguaçu, com a presença dos representantes das empresas habilitadas para o trabalho e representantes do Banco Mundial (Bird). Quatro consórcios, entre 18 que se candidatam para a elaboração dos estudos, vão fazer os levantamentos necessários para a implantação do novo ramal ferroviário.

O governador afirmou que a nova ferrovia será um grande vetor para o desenvolvimento do Paraná, ampliando a competitividade dos produtos do Estado. “É uma ferrovia que não precisará inventar demanda. Ela vai transportar as riquezas do agronegócio produzidas não só pelo Paraná, mas também pelo Mato Grosso do Sul, facilitando o escoamento até o Porto de Paranaguá. Além disso, também vai conduzir parte da produção do Paraguai e da Argentina”, disse.

A obra da nova ferrovia está dividida em dois trechos. O primeiro tem 400 quilômetros e liga Guarapuava ao Litoral do Paraná. O segundo vai de Guarapuava até Dourados (MS), passando por Guaíra, com a construção de mais 350 quilômetros de trilhos.

MOMENTO HISTÓRICO - Para o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, o início dos estudos de viabilidade do empreendimento é um momento histórico para o Paraná. “É uma expetativa muito grande e uma enorme conquista para o nosso Estado”, disse.

PORTO - Menos de 20% das mercadorias que chegam a Paranaguá são atualmente entregues por via férrea. A projeção é que haja crescimento de 450% com o novo ramal ferroviário. “E o porto estará preparado para isso, graças ao planejamento eficiente e a modernização que implantamos, além dos investimentos públicos e privados feitos nos últimos anos”, ressaltou o Beto Richa.

Ele citou que em 2011 o porto tinha movimentação anual de 36 milhões de toneladas. Em 2017, foram 51,5 milhões. “Acabamos com as filas de caminhões no porto e de navios, modernizamos equipamentos, como guindastes e shiploaders, que eram da década de 70, garantindo mais agilidade e velocidade na movimentação de cargas”, reforçou.

CONSÓRCIOS – Os consórcios responsáveis pelo estudo são HaB, constituído pelas empresas Bureau da Engenharia ECT Ltda, Hendal e Advice Concultoria e Serviços; o consórcio SSSE, formado pela empresa espanhola Sener Ingeneria e pelas nacionais Sener Setepla e Engefoto; o consórcio Egis-Esteio-Copel, do qual fazem parte a empresa francesa Egis Engenharia e Consultoria Ltda e pelas nacionais Esteio Engenharia e Aerolevantamentos S.A e Copel, e o consórcio formado por Sistemas de Transportes Sustentáveis – STS, Pullin e Campano Consultores Associados e Navarro Prado Advogados, pela consultoria Millennia Systems, dos Estados Unidos, e pela EnVia Technologies International.

PRESENÇAS - Participaram da solenidade o secretário de Estado de Assuntos Estratégicos, Edgar Bueno, da Administração e Previdência, Fernando Ghignone ; o diretor-presidente da Ferroeste, João Vicente Bresolin; presidente da Copel, Antônio Guetter e o diretor-presidente da Celepar, Jacson Leite.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Paraná

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber