Paraná

UEL inaugura laboratório no Centro de Ciências Agrárias

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia UEL inaugura laboratório no Centro de Ciências Agrárias
UEL inaugura laboratório no Centro de Ciências Agrárias

O Departamento de Agronomia da Universidade Estadual de Londrina (UEL) inaugurou nesta segunda-feira (11) o Laboratório de Fitotecnia/Multiagro, no Centro de Ciências Agrárias (CCA), em Londrina. Com área de 550 metros quadrados, a estrutura conta com cinco laboratórios para desenvolvimento de projetos e pesquisas. Foram investidos R$ 1,16 milhão – recursos do Governo do Estado – através da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, por meio do Fundo Paraná, e da UEL.

continua após publicidade

A estrutura vai beneficiar cerca de 400 alunos de graduação e 250 estudantes de pós-graduação (mestrado e doutorado) em Agronomia. Os laboratórios serão divididos para atender as áreas de Biotecnologia para Agricultura Sustentável, Ecologia de Insetos, Mecanização e Agricultura de Precisão, Nematologia Agrícola, e de Solos.

Para o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes, a obra fortalece a UEL como universidade de referência no Paraná e no Brasil. “Com o investimento em educação e infraestrutura, a UEL tem tudo para continuar figurando entre as melhores instituições de ensino e avançar nas pesquisas desenvolvidas nas áreas beneficiadas pelo laboratório”.

continua após publicidade

O espaço também deve auxiliar outras áreas de conhecimento da universidade como Ciência e Tecnologia de Alimentos, Clínicas Veterinárias, Medicina Veterinária Preventiva e Zootecnia.

“São espaços de ensino que estávamos necessitando dentro da universidade. A graduação e a pós-graduação ganham muito com a utilização da estrutura, desde a iniciação científica até as conclusões de dissertações de mestrado e tese de doutorado”, explica a chefe do Departamento de Agronomia da UEL Lucia Takahashi.

Segundo o diretor geral do Centro de Ciências Agrárias da UEL, José Roberto Pinto de Souza, a obra representa um aumento na qualidade do ensino prestado pela universidade. “Ganhamos um espaço moderno para o desenvolvimento acadêmico e profissional, além da possibilidade de ampliação de pesquisas inovadoras”.