Facebook Img Logo
Mais lidas
Londrina

Polícia prende estagiário suspeito de ajudar família de traficante a acessar informações de ação criminal

.

Foto: Theo Marques
Foto: Theo Marques

A Polícia Federal prendeu temporariamente (prazo de cinco dias, prorrogáveis por mais cinco), nesta segunda (20), um ex-estagiário de direito da Vara Federal Previdenciária de Londrina acusado de acessar informações de ação criminal que envolve Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, considerado o maior traficante de drogas da América do Sul.

O ex-estagiário utilizava, segundo a PF, senha exclusiva e restrita para o trabalho na Justiça com a finalidade de acessar ilegalmente o processo criminal referente à Operação Spectrum, que prendeu o traficante. Os investigadores identificaram acessos ilegais ao processo criminal feito em outros estados e até no Paraguai.Todos os usuários que acessaram a ação foram identificados e serão ouvidos em um inquérito policial já instaurado para apurar os fatos. 

Segundo a polícia, suspeita-se que o ex-estagiário seja namorado da filha de Cabeça Branca. O login e a senha também foram utilizadas pelo filho e pela nora do traficante, em um hotel de Londrina. Por isso, a Justiça autorizou a busca e apreensão no apartamento do casal, no bairro Gleba Palhano.

Dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos na cidade de Londrina. O ex-estagiário tinha relação próxima com a família de Cabeça Branca.

A Operação Spectrum foi deflagrada pela Polícia Federal paranaense em julho com a prisão de Cabeça Branca na cidade de Sorriso, no Mato Grosso. Logo em seguida o traficante foi enviado para a Penitenciária Federal de Catanduvas, no oeste do Paraná, um presídio de segurança máxima.

Na ocasião da prisão do traficante, o superintendente da Polícia Federal paranaense, Rosalvo Franco, classificou Cabeça Branca como uma lenda do crime. "Desde que entrei na Polícia Federal, há 32 anos, já se falava em Cabeça Branca", disse.

Ele era o primeiro da lista de procurados da PF e, segundo os policiais, tinha mais importância e influência que o colombiano Juan Carlos Ramirez Abadia ou Fernandinho Beira-Mar.

A investigação para prender Cabeça Branca durou mais de um ano e só teve sucesso por conta de agentes que conseguiram se infiltrar na quadrilha. Segundo os policiais, o bando de Cabeça Branca tinha um sofisticado esquema de contrainteligência que era feito para despistar investigadores. O traficante também utilizava várias identidades falsas e passou por cirurgias plásticas para mudar a fisionomia.

(Com Folhapress)

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Londrina

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber