Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Balé da Cidade estreia espetáculo com forte tom político 

.

PAULA LEITE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Por triste coincidência, o Balé da Cidade de São Paulo estreou nesta quinta-feira (16), um dia depois do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) no Rio de Janeiro, um espetáculo de forte tom político.

Enquanto o país era tomado pela repercussão da morte dela, que nasceu e foi criada no complexo de favelas da Maré e que com frequência criticava a violência policial em áreas pobres, os bailarinos da companhia dançavam uma obra que discute o racismo e a violência -em especial, a violência policial contra o negro e a mulher.

Com músicas de Caetano Veloso, "Um Jeito de Corpo" coloca mais de três dezenas de bailarinos em um cenário fundo que lembra um beco maltratado em qualquer cidade do país.

Longe de ser um "greatest hits" do compositor, a trilha sonora se apoia em canções menos conhecidas (com exceção de "Sampa") e em boa medida desconstruídas, sampleadas e sobrepostas.

Em certo momento da coreografia de Morena Nascimento, bailarinos de todas as cores, vestidos com maiôs coloridos, se movimentam com sensualidade, evocando o estereótipo da praia do Rio de Janeiro como símbolo da democracia racial e da liberdade de exposição do corpo.

Alguns minutos depois, porém, uma cena forte e teatral nos lembra que, não longe dessa mítica praia, espreita a violência policial e a violência sexual.

Aos poucos, a alternância entre os períodos em que os movimentos dos bailarinos mesclam ritmos brasileiros (samba, baião, maracatu, entre outros) a movimentos mais típicos da dança contemporânea e as cenas mais teatrais vai se fragmentando.

Alegria, carnaval, festas, começam a degringolar sem razão aparente e são interrompidas por empurrões, estranhamentos, dominações. Momentos de beleza muito rapidamente são desestabilizados e descambam para o desconforto.

Corpos, em especial mulheres e negros, são jogados, pisados, quebrados. É digno de nota o quanto o foco da coreografia na objetificação e violência a que os corpos estão sujeitos dialoga com a obra de Caetano, que em suas letras tantas vezes exalta a sensualidade ("Leãozinho", "Você É Linda", "Queixa") e tantas vezes a submissão do corpo negro e pobre ("Haiti", "Partido Alto", "Tropicália").

Nenhuma das músicas citadas no parágrafo anterior está no espetáculo, mas o espectador com memória da obra do compositor há de se lembrar delas, e de muitas outras, ao longo de "Um Jeito de Corpo".

Há momentos da obra em que o amor, a alegria e a harmonia aparecem; mas são apenas vislumbres, eles não triunfam sobre a intolerância e o caos. Não é neste tipo de mundo que se vive, aqui.

Antes do espetáculo, o diretor artístico do Balé da Cidade, Ismael Ivo, pediu um minuto de aplausos em homenagem a Marielle.

Na cena final do espetáculo, pétalas vermelhas cobrem o chão sobre o qual os bailarinos dançam. Difícil não pensar em sangue.

Enquanto a plateia sai do Municipal, um grupo de jovens negros protesta na escadaria -"vidas negras importam", gritam, entre outras palavras de ordem. A distância entre arte e realidade é mínima, o que só engrandece o espetáculo, de rara honestidade e brutalidade.

UM JEITO DE CORPO

QUANDO sáb., às 20h; dom. (18), às 18h; qui. a dom. (25), às 20h

ONDE Theatro Municipal, pça. Ramos de Azevedo, s/nº, República

QUANTO de R$ 20 a R$ 80

AVALIAÇÃO muito bom

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber