Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Reino Unido acusa Rússia de envenenar ex-espião e expulsa diplomatas

.

IGOR GIELOW

MOSCOU, RÚSSIA (FOLHAPRESS) - O Reino Unido acusou a Rússia de envenenar o ex-espião Serguei Skripal e sua filha, Iulia, em solo britânico. Segundo a primeira-ministra Theresa May , o “uso ilegal de força do Estado russo contra o Reino Unido" será respondido com a expulsão de 23 diplomatas russos acusados de espionagem e o congelamento de contatos diplomáticos de alto nível entre os países.

May afirmou que, após o ataque com o agente neurotóxico Novitchok no dia 4 passado, só havia duas possibilidades. Ou o Kremlin ordenou o envenenamento, ou perdeu controle sobre uma perigosa arma química. A reação de Moscou, que se negou a responder um ultimato de Londres sobre o caso, significa para May que o Estado é culpado. “Nenhuma explicação sobre como esse agente chegou a ser usado no Reino Unido foi dada. Em vez disso, eles trataram o uso de um agente neurotóxico militar na Europa com sarcasmo, desdém e desafio. Não há outra conclusão além de que o Estado russo foi culpado pela tentativa de assassinato do senhor Skripal e sua filha, e por ameaçar as vidas de outros cidadãos britânicos em Salisbury”, disse May, referindo-se à contaminação de locais com o Novitchok, que atingiu o detetive Nick Bailey.

O Ministério das Relações Exteriores russo disse que a medida é “inaceitável” e que o governo britânico está movido por “objetivos políticos. É de se esperar uma nova rodada de críticas e a expulsão de um número correspondente de diplomatas britânicos na Rússia, como é praxe nesses episódios. Para May, a saída dos 23 supostos espiões sob o manto diplomático, que deverá ocorrer em uma semana, vai “degradar significativamente” a capacidade de inteligência russa no seu país.

Já a Embaixada da Rússia em Londres postou um texto no Twitter dizendo que considera a “ação hostil como totalmente inaceitável, injustificável e míope”. A representação tem 58 diplomatas hoje. O presidente Vladimir Putin, em visita a obras da ponte que ligará a Rússia à península da Crimeia, não comentou o caso. É a mais grave crise diplomática entre a Rússia e Ocidente desde que Putin reabsorveu a Crimeia da Ucrânia em 2014, levando a uma série de sanções econômicas ocidentais ao país. Ela não deve, contudo, ser superestimada: May não anunciou nenhuma sanção a altos oficiais russos, como o vice-premiê Igor Shuvalov, que tem propriedades em Londres como a maioria da elite rica de seu país.

Assim, apesar de a primeira-ministra dizer que poderá haver sanções individuais, na prática as coisas ficam como estão. Nenhuma medida econômica de relevo foi anunciada, também, e isso reflete o fato de que há muito investimento russo no Reino Unido e vice-versa: a petroleira britânica BP, por exemplo, tem 19,75% da Petrobras da Rússia, a Rosneft.

May também não decretou restrições à operação da RT, rede de TV fomentada pelo Kremlin. A Rússia havia anunciado que qualquer veto implicaria o fim de operação de mídia britânica no país.

Haverá impacto temporário nas atividades diplomáticas com a expulsão dos russos, a maior do tipo em 30 anos, e o congelamento das relações de alto nível também é algo inédito. Nada disso, por outro lado, fará Putin mudar a condução de sua política externa —quanto mais confessar um crime atribuído a seu governo que ele nega.

Fica o desconforto simbólico. May retirou um convite para que Lavrov visitasse o país, e informou que políticos e membros da família real britânica não irão à Copa do Mundo na Rússia, em junho e julho. Antes, o chanceler britânico, Boris Johnson, havia cogitado um boicote do time da Inglaterra ao torneio.

Em resposta à crítica de Lavrov sobre a falta de acesso a amostras do Novitchok, agente criado na antiga União Soviética e teoricamente destruído no pós-Guerra Fria, ela disse que submeteria o material à Organização pela Proibição de Armas Químicas.

May disse que serão reforçados controles sobre cidadãos russos visitando o Reino Unido, sem especificar como, e que sanções individuais serão aplicadas. Ela disse que busca uma “melhor relação com a Rússia” e que não tem “desavenças com o povo” do país de Putin.O presidente russo disputa seu quarto mandato à frente do Kremlin no domingo (18).

Buscando dar um caráter amplo à sua medida, já que na Rússia as ações britânicas são vistas como esperneio diplomático de um país em decadência, May disse que seus atos foram discutidos com o presidente Donald Trump (EUA), a chanceler Angela Merkel (Alemanha) e o presidente Emmanuel Macron (França).

May afirmou que levaria o caso para o Conselho de Segurança das Nações Unidas, um artifício usual nesses casos, tão chamativo quanto inútil: Moscou, assim como Londres, tem poder de veto sobre qualquer resolução no fórum comandado pelas cinco nações vitoriosas na Segunda Guerra Mundial.

O líder da oposição britânica, Jeremy Corbyn, causou polêmica ao comentar o anúncio de May por evitar condenar o Estado russo pelo suposto uso do Novitchok. “O histórico entre armas de destruição em massa e inteligência é problemático, para dizer educadamente”, disse seu porta-voz, evocando a alegação falsa de serviços secretos ocidentais de que o Iraque tinha armas químicas, que levou à sua invasão em 2003.

Corbyn, cujo partido lidera pesquisas de intenção de voto, é um esquerdista que já foi acusado falsamente de ter agido como informante de serviços secretos do bloco soviético.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber