Facebook Img Logo
  1. Edhucca Banner
Mais lidas
Geral

Com atraso, Alckmin entrega obra contra seca no Cantareira

.

FABRÍCIO LOBEL

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), inaugura na manhã deste sábado a obra de interligação entre o rio Paraíba do Sul e uma das represas do sistema Cantareira, que abastece a Grande São Paulo.

Alckmin  é pré-candidato do PSDB ao Palácio do Planalto e, de acordo com a legislação eleitoral, tem até a primeira semana de abril para deixar o cargo no governo do estado para concorrer na eleição deste ano. Por isso, o governador tenta emplacar uma agenda positiva em seus últimos dias no governo paulista.

A interligação entre o rio Paraíba do Sul e Cantareira chegou a ser prometida pelo tucano para abril de 2017, ao custo de R$ 555 milhões financiados pelo BNDES. A ideia é permitir por meio de bombas, túneis e adutoras que um manancial de água pudesse ajudar a abastecer o outro em épocas de forte seca, como ocorreu a partir de 2014 no sistema Cantareira.

Por meio de adutoras de 13 km de extensão, a água que sair do Paraíba do Sul será bombeada até uma estação a mais de 200 metros de altura. Depois disso, a água cairá por um túnel até a represa de Atibainha, no Cantareira.

A ideia é de que o conjunto de adutoras e túneis sejam capazes de bombear a água no sentido contrário também, do Cantareira para o Paraíba do Sul, quando a emergência hídrica ocorrer no lado deste rio. Questionada, porém, a Sabesp (companhia paulista de saneamento) não respondeu se a transferência de água para o lado do Paraíba do Sul já está pronta. 

CONFLITO

A interligação das duas bacias causou conflito entre três estados do Sudeste: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Embora as obras ocorram todas em território paulista, a água transferida pertence a um rio federal e que abastece também o Rio de Janeiro e Minas.

Um acordo entre os três estados teve que ser costurado com a ajuda da Agência nacional de Águas e o STF.

O uso do rio Paraíba do Sul provocou uma disputa judicial, troca de acusações entre os governo de Rio e São Paulo, e chegou ao Supremo em meio a grave crise hídrica que atingiu os três estados em 2014.

O Ministério Público Federal protocolou uma ação contra a transposição e para assegurar vazão mínima ao Rio. O Ministério Público alegava que a transposição proposta por São Paulo poderia causar danos ambientais, com consequências inclusive para a saúde.

No acordo fechado pelo ministro do STF Luiz Fux, o governo federal e a ANA abriram mão da gestão do rio para compartilhar com os estados. Segundo Fux, as normas estabelecidas afastam eventuais prejuízos nos abastecimentos dos estados.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber