Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Foo Fighters e Queens of the Stone Age mostram-se bandas em grande forma

.

MARCO AURÉLIO CANÔNICO

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Está aberta a temporada de shows internacionais de rock no país e, se as apresentações do Foo Fighters e do Queens of the Stone Age no Maracanã, na noite deste domingo (25), forem indício do que vem por aí, será um ano histórico.

Os shows, que São Paulo verá nesta terça (27) e quarta (28), no Allianz Parque, mostram duas bandas em grande forma, com líderes carismáticos e repertórios bem amarrados, que misturam canções novas e sucessos, calmaria e pancadaria, dance e pogo.

Estrela maior da noite, o vocalista e guitarrista Dave Grohl mostrou, à frente do Foo Fighters, que continua sendo um excelente professor de rock n' roll para seus jovens fãs.

Ele é daqueles sujeitos que dá gosto assistir: corre para todos os lados, tentando abarcar a plateia, grita como se nunca mais fosse precisar de voz, faz caretas e piadas, comanda a massa como um apresentador de programa de auditório. Antes de tudo, Grohl é um bom músico.

"Run", a canção que abriu o show, mostra bem como o FF se tornou um gigante do rock de estádio: uma introdução e um refrão facilmente cantaroláveis, em ritmo cadenciado, seguido de estrofes em que a melodia dispara como se corresse por sua vida, trazendo consigo a plateia.

Na sequência, dois dos maiores sucessos da banda -"All my Life" e "Learn to Fly"- acenderam de vez os 30 mil presentes, público que ficou longe de encher o estádio (Phil Collins, três dias antes, levou 42 mil pessoas ao mesmo Maracanã, também sem conseguir lotá-lo).

Interativo como de hábito, Grohl passou todo o show conversando com seus fãs, convocando-os a cantar baladas como "My Hero" e "Times like These" e criando expectativa, ao pausar as canções antes de entrar nas partes mais explosivas -por exemplo, em "Walk" e no hit "Breakout".

Como bom professor, Grohl também sabe honrar seus mestres, apresentando-os a seus alunos.No domingo, tiveram vez Alice Cooper ("Under my Wheels", com o guitarrista Chris Shiflett nos vocais), Ramones ("Blitzkrieg Bop"), AC/DC ("Let There Be Rock") e Queen ("Another One Bites the Dust" e "Under Pressure", com o baterista Taylor Hawkins dividindo os vocais com Grohl, que assumiu a bateria).

PESO E DANÇA

Antes da atração principal, o público teve a chance de ver uma banda de abertura com peso suficiente (em todos os sentidos) para ser "headliner": o Queens of the Stone Age, liderado por Josh Homme.

Talvez sob a influência de estar em turnê com Dave Grohl, o labrador do rock, o guitarrista e vocalista do QOTSA se apresentou muito mais simpático do que de costume, o que tornou seu show descontraído, até mesmo dançante, sem perder nada do peso que caracteriza seu som.

O repertório da apresentação de 80 minutos privilegiou as canções do álbum "Villains" (2017) -incluindo as ótimas "The Way You Used to Do" e "The Evil Has Landed"-, mas trouxe sucessos como "No One Knows", "Little Sister" e "Go with the Flow".

Após os shows em SP, as bandas seguem para Curitiba (Pedreira Paulo Leminski, 2/3) e Porto Alegre (Beira-Rio, 4/3).

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber