Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Secretário de Doria quer dobrar receita do Carnaval de SP em 2019

.

MARIANA ZYLBERKAN

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ainda com resquício de purpurina nos cílios do olho direito, o secretário de Prefeituras Regionais de São Paulo, Claudio Carvalho, contabilizava, na segunda-feira (19), a maratona carnavalesca.

"Estou há 19 dias sem dormir direito. Ontem [domingo] passei nove horas em cima do trio elétrico da Daniela Mercury", disse o responsável pela pasta que organizou o Carnaval de rua em São Paulo neste ano. Até então, a festa ficava sob a batuta da secretaria de Cultura.

Diante de um evento cada vez maior, o secretário da gestão João Doria (PSDB) disse que irá planejar com maior antecedência detalhes importantes, como o lançamento do edital de chamamento público para escolher a empresa organizadora do Carnaval. Neste ano, os envelopes foram abertos a dois meses do feriado e apenas uma empresa foi considerada apta.

O modelo de negócio, segundo Carvalho, deve se manter o mesmo. A terceirizada escolhida irá ficar responsável por arrecadar o patrocínio e viabilizar os serviços pedidos pela administração. Neste ano, o patrocínio pago por uma gigante do ramo de cerveja foi de R$ 16 milhões.

"É o maior Carnaval do Brasil, então esperamos o maior patrocínio", diz sobre a expectativa de dobrar o orçamento.

A multidão de foliões que seguiu pelas ruas da cidade atrás de 433 blocos, e a consequente atenção de anunciantes, inspirou o secretário a cogitar a flexibilização da lei Cidade Limpa. A ideia é pedir às comissões reguladoras permissão para os blocos destinarem maior espaço às marcas patrocinadoras nos trios elétricos. "Não machuca a cidade. Passa e vai embora."

O secretário, porém, se limitou a dar respostas alinhadas ao discurso oficial quando perguntado sobre o estudante que foi eletrocutado ao encostar em um poste onde tinham sido instaladas câmeras de segurança no pré-Carnaval. "Vamos aguardar os laudos", disse.

PERGUNTA - Ao dar ênfase à divulgação de números recordes de público no Carnaval a prefeitura busca atrair mais patrocínio para o próximo ano?

CLAUDIO CARVALHO - Sim. Quando se faz um evento dessa magnitude e de sucesso, a responsabilidade aumenta muito. O Carnaval é o maior evento cultural do país, é importante para a democracia porque são as ruas abertas. Respeitamos quem quis descansar, informamos os bloqueios, as vias interditadas.

P - Qual o balanço do Carnaval na avenida 23 de Maio?

CC - Deu muito certo. O mais importante foi termos dialogado com os blocos. Entender a necessidade e valorizá-los. Foi um Carnaval feito pelos paulistanos. Criamos um modelo junto com os dirigentes de blocos.

P - E a reclamação de barulho nos hospitais?

CC - Na quinta-feira pós-Carnaval, tivemos uma reunião e orientamos os blocos a fazerem algo diferente quando passassem em frente à Beneficência Portuguesa [para reduzir o incômodo]. Deixamos a critério deles. A Claudia Leitte desligou o som e pediu uma oração para os pacientes. Foi tocante. Muita gente chorou.

P - O que precisa ser melhorado?

CC - Precisamos nos antecipar. Como o evento é muito grande, precisamos de uma organização maior antes.

P - O calendário oficial vai ser ampliado?

CC - Não há necessidade. Senão vira Carnaval o ano inteiro. Os três finais de semana funcionam bem. Os organizadores se preparam dessa forma.

P - Há previsão de quando será lançado o edital de chamamento público para a organização do próximo Carnaval?

CC - A ideia é que saia em outubro. Já vamos começar um grupo organizacional agora em março e começar o diálogo com os grandes blocos. A comissão será intersecretarial, com participação da Cultura, Segurança Urbana, CET. Vamos montar um calendário.

P - Como vai ser estruturado o quantitativo de serviços já que um relatório do TCM apontou falta de estudo prévio para definir as exigências neste ano?

CC - Não faltou estudo. A prova é que não teve nenhuma reclamação de falta de ambulância, banheiro e segurança.

P - O modelo de concessão será o mesmo?

CC - Esse modelo funcionou bem, mas precisa ser aperfeiçoado. Meu modelo de tocar [a organização] é como um executivo de empresa. O prefeito me dá autonomia. O modelo de quantitativo funcionou, mas a dimensão ainda será avaliada [para 2019].

P - Qual a previsão de aumento de patrocínio para 2019?

CC - É o maior Carnaval do Brasil, então tem que ter o maior patrocínio. Vamos no mínimo dobrar, tem muitas empresas interessadas. Funcionou o credenciamento dos ambulantes. Você só via os guarda-sóis da marca patrocinadora.

P - Quanto foi arrecadado com a 'lei do xixi' [decreto que multa em R$ 500 quem for pego urinando na rua]?

CC - Foram 648 multas aplicadas, que resultou em R$ 324 mil para os cofres municipais.

P - Ajudou a aliviar o orçamento apertado da prefeitura?

CC - Não é que a prefeitura esteja sem dinheiro. Nós adequamos o orçamento. Não é preciso colocar dinheiro público no Carnaval. Acho que podia flexibilizar mais um pouco a publicidade no Carnaval. Imagina os trios elétricos com painéis de led [exibindo as marcas patrocinadoras]? Não machuca a cidade. Passa e vai embora. Acho que temos que trabalhar nisso, respeitar a lei Cidade Limpa, mas não podemos ficar engessado. São ideias que vamos discutir com os blocos e submetê-las às comissões que autorizam.

P - Há novo andamento no processo do rapaz eletrocutado no pré-Carnaval?

CC - Estamos aguardando o laudo pericial [sobre a causa da descarga elétrica]. Sou pai de família, foi uma tragédia, lamentamos muito. O inquérito policial está em sigilo.

P - A prefeitura não é parte do processo?

CC - Nós fomos ouvidos [na delegacia]. O resultado da perícia não saiu ainda. Vamos esperar. Foi uma fatalidade.

A prefeitura teve acesso ao contrato da Dream Factory com a GWA Systems [que instalou as câmeras]?

Sim e juntamos no inquérito. Tem contrato e seguro que cobre responsabilidade civil e criminal.

P - Como a responsabilidade da prefeitura pela morte está sendo tratada no inquérito?

CC - Vamos falar de Carnaval?

P - Teve muita reclamação de moradores?

CC - Recebi duas ligações de moradores que ameaçaram me denunciar ao Ministério Público se não parasse o desfile de um bloco. Não negocio com chantagistas e não negocio meus princípios. Não vou parar um milhão de pessoas por causa de duas que estão incomodadas. Disse que às 21 horas o trio ia desligar e foi o que aconteceu. Tudo que combinamos com os blocos foi cumprido à risca.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber