Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Geral

Quebra-quebra assusta comerciantes no centro de São Paulo

.

DHIEGO MAIA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um grupo de 20 pessoas munidas de pedras, paus e até coquetel molotov promoveu um quebra-quebra na tarde desta sexta-feira (23), no bairro Campos Elíseos, no centro da capital paulista.

O ataque ocorreu pouco antes das 15h em um trecho da rua Conselheiro Nébias, entre a avenida Duque de Caxias e a rua General Rondon.

Ao menos 11 carros que estavam estacionados no local, conhecido por concentrar comércio especializado no reparo de veículos, foram depredados. Comerciantes entrevistados pela Folha disseram que os envolvidos podem ser usuários de drogas saídos da cracolândia, hoje estabelecida também no centro de SP.

Um empresário da rua que não quis se identificar disse que a ação foi rápida e organizada. "Estou há 30 anos aqui e nunca tinha visto isso. Eles estavam tão preparados que carregavam um coquetel molotov caseiro", afirmou.

Um vídeo ao qual a reportagem teve acesso mostra um grupo de policiais militares em motos perseguindo os suspeitos. Um deles não consegue escapar do cerco, cai no chão e leva uma série de chutes dos militares. O suspeito foi detido na sequência. Outro PM joga sua moto em cima de outra pessoa que fugia após os atos de vandalismo.

A reportagem procurou a PM, mas ela não se manifestou sobre o assunto.

ABAIXEM AS PORTAS

Outro que presenciou os atos de vandalismo foi Marcelo de Almeida, 48, funcionário de uma loja de compra e venda de carros. Ele disse que, antes de o grupo entrar na rua, dois homens saíram à frente gritando: "Abaixem as portas". "Estavam armados com facas, paus e um deles carregava uma bolsa com pedras. Eles saíram destruindo todos os carros que conseguiram", disse Almeida.

Para-brisas e vidros laterais dos veículos ficaram estilhaçados. No meio do tumulto, o funileiro Edvan Silva Santos, 37, foi cercado por quatro deles enquanto abaixava pelo lado de fora a porta do comércio onde trabalha.

Ele contou à reportagem que levou vários socos e chutes e que o pior só não aconteceu porque um dos envolvidos na quebradeira pediu para o grupo parar de agredi-lo. "Um gritou: 'Esse aí não. Ele é trabalhador'." "Levei vários socos na costela. É isso que um homem, que levanta todos os dias às 5h da manhã para trabalhar, ganha."

TUMULTO

Quatro dos 11 carros danificados no tumulto estavam sob a guarda da funilaria onde Edvan trabalha. Entre eles, uma BMW Alpina, que teve um dos vidros laterais quebrado. O prejuízo, estima o funileiro, pode chegar a cerca de R$ 4.000. O quebra-quebra durou poucos minutos. Ao cruzar a avenida Duque de Caxias, o grupo se dispersou.

Por volta das 15h30, o clima ainda era de apreensão entre os comerciantes, que voltavam aos poucos à rotina normal no centro da cidade.

Além de carros da PM, que passaram a circular pela região com maior frequência depois do episódio, homens da Cavalaria da corporação estiveram no local para reforçar a segurança.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber