Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Geral

Governo distribuirá 530 refugiados venezuelanos para SP e AM

.

GUSTAVO URIBE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo federal irá distribuir, no início de março, 530 refugiados venezuelanos de Roraima para São Paulo e Amazonas.

A decisão foi tomada em reunião, nesta quarta-feira (21), no Palácio do Planalto, do comitê federal de ajuda emergencial.

Segundo o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, 350 irão para São Paulo e 180, para o Amazonas. Eles serão transferidos para locais com vagas em abrigos e postos de trabalho previamente acordados com autoridades locais.

O perfil inicial dos venezuelanos que serão deslocados será de homens solteiros, com qualificação profissional e que demonstraram desejo de permanecer no Brasil.

Eles estão atualmente em período de quarentena após terem sido vacinados e imunizados contra doenças como sarampo e febre amarela.

"Os imigrantes que sejam aptos a interiorizar, que são geralmente homens solteiros e com qualificação profissional, começarão a ser transferidos. Nós temos previsão em São Paulo e Amazonas de aceitação de trabalhadores para desafogar a fronteira", disse a subchefe de articulação da Casa Civil, Natália Marcassa.

A ideia do governo federal é repetir o que foi feito em 2015, quando refugiados haitianos foram transferidos do Acre para São Paulo, Paraná e Santa Catarina para trabalharem principalmente em frigoríficos.

Ao todo, mais de 40 mil venezuelanos atravessaram a fronteira e estão acampados nas cidades de Boa Vista e Pacaraima, onde sobrecarregaram o sistema de saúde pública e geraram aumento nos índices de violência.

De acordo com o Padilha, em torno de 40% da população que atravessou a fronteira é formada por homens solteiros com interesse em vagas de trabalho.

"Nós temos três tipos pessoas. As pessoas que buscam comida para família e retornam para a Venezuela. As pessoas que vieram para permanecer na região, especialmente as famílias indígenas. E aquelas que querem se internalizar para cidades onde possam ter ocupação", disse o ministro.

Em entrevista à imprensa, Marcassa afirmou ainda que o governo federal irá fazer dois novos centros de acolhimento e triagem em Boa Vista e Pacaraima.

Eles terão capacidade para 1.500 refugiados, com a oferta de comida, remédios e atendimento médico. Em Boa Vista, ele será erguido próximo à praça Simão Bolívar, onde acampa a maior parte dos refugiados.

Na reunião, ficou definido ainda que haverá reforço no envio de alimentos, medicamentos e abrigos para Roraima. Segundo o ministro, as iniciativas terão, em um primeiro momento, um custo total de cerca de R$ 70 milhões ao governo federal.

Na semana passada, o presidente Michel Temer decretou estado de emergência social em Roraima devido à entrada de milhares de refugiados venezuelanos.

A medida provisória permitiu o repasse imediato de recursos pelo governo federal e a atuação das Forças Armadas na coordenação das ações humanitárias.

Com a iniciativa, foi duplicado de 100 para 200 o efetivo militar na região de fronteira e enviado ao local um hospital de campanha, com capacidade para cirurgias e consultas.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber