Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Geral

Terroristas também têm consciência, diz José Padilha em Berlim

.

GUILHERME GENESTRETI, enviado especial*

BERLIM, ALEMANHA (FOLHAPRESS) - Ao apresentar seu novo filme no Festival de Berlim, o diretor brasileiro José Padilha rebateu as críticas de que a obra suaviza a imagem dos personagens principais, dois alemães pró-Palestina que sequestram um avião cheio de passageiros israelenses. “Terroristas também têm consciência. Cometeram algo inescusável, errado, mas são seres humanos e eu tinha de retratá-los como tal”, disse após a sessão de “7 Dias em Entebbe”, produção anglo-americana que teve sua estreia mundial nesta segunda (19).

Não fosse o fato de o cineasta carioca ter assumido o projeto quando ele já existia, o filme poderia se passar por uma obra realmente idealizada pelo diretor de “Tropa de Elite” e “Ônibus 174”.

Estão lá, como em seu longa mais famoso, os dilemas sobre os limites do uso da força, o argumento militarista e as zonas cinzentas dos polos em disputa.

Com essa sua nova produção, Padilha volta à competição do Festival de Berlim, mas desta vez sem disputar o Urso de Ouro, prêmio que ele levou em 2007 com a primeira parte de sua saga sobre o Capitão Nascimento.

O novo filme reencena um caso real ocorrido em 1976, o sequestro de um avião da Air France lotado de passageiros israelenses por militantes pró-Palestina e seu desvio para a cidade ugandense de Entebbe. Entre os sequestradores estavam dois alemães, Wilfried Böse e Brigitte Kuhlmann, vividos no filme por Daniel Brühl (“Adeus Lênin”) e Rosamund Pike (“A Garota Exemplar”), respectivamente. É sobre ambos os personagens que o filme deposita a maior parte do peso da trama. Ingênuos e despreparados para a possibilidade de derramar sangue, os dois se batem com as contradições da empreitada; estão engajados na lita pró-palestinos, mas cedo se nota que eles não têm a frieza emocional necessária.

O filme contrapõe as motivações da dupla de alemães das razões que impelem seus parceiros do Oriente Médio. “Os palestinos o faziam por causa conflito, aquilo era pessoal e visceral. Os outros vinham de uma tradição da esquerda dos anos 1970, o faziam pelo marxismo, pela ideia”, afirma o cineasta brasileiro. “Os reféns desafiavam a motivação de Böse e o acusavam o nazista, o que é a última coisa que alguém de esquerda daquela época gostaria de ser acusado. E ele tentava a todo custo se afastar dessa impressão.”

Longe do cenário do atentado, na cúpula do governo israelense, o diretor cria um thriller de gabinete. O premiê Yitzhak Rabin (Lior Ashkenazi) e seu ministro da Defesa, Shimon Peres (Eddie Marsan), também enfrentam seus próprios xadrezes políticos e estratégicos discordarem um do outro sobre a operação militar de resgate dos passageiros. “Quando se olha a dinâmica entre os dois, você percebe a dificuldade de dialogar em Israel”, diz o diretor.

Já o ditador ugandense Idi Amin (Nonso Anozie), que na trama espera barganhar com as potências ocidentais por meio do episódio, é retratado com direito a todos os seus aspectos folclóricos já explorados no cinema. É praticamente o alívio cômico do filme.

Padilha acrescenta ao caldo da querela árabe-israelense questões como culpa alemã, utopia esquerdista e sionismo, mas sem tomar partido.

Acaba costurando uma obra que pode, como notou a revista americana “The Hollywood Reporter”, irritar o atual primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. É que ao mostrar a operação, a trama destoa da versão defendida pela família do premiê, segundo a qual Yoni, militar e irmão mais velho do premiê, foi chave no resgate e morreu sob fogo palestino.

No filme de Padilha, além de seu papel ser bem menor , ele é alvejado por ugandenses. “Não é uma história que vai agradar a Netanyahu”, disse à publicação o historiador Saul David, cujo livro inspirou o roteiro.

Padilha comentou as contradições e disse que se inspirou no relato daqueles que efetivamente participaram da operação. “A minha versão é aquela dos que estavam lá, as testemunhas visuais.”

O episódio já foi mote do filme israelense “Operação Thunderbolt” (1977), que teve o mitológico ator Klaus Kinski no papel de Böse.

*O jornalista se hospeda a convite do festival

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber