Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Parte de escultura é roubada na Bienal de Arte de Curitiba

.

MARIA LUÍSA BARSANELLI E MAURÍCIO MEIRELES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma parte da escultura "Original Sin", do artista chinês Liu  Ruowang, que estava exposta na Bienal de Arte de Curitiba, foi roubada nesta semana na capital paranaense -os organizadores ainda não sabem dizer a data exata do roubo.

Um boletim de ocorrência foi registrado, neste sábado (17), no 2º Distrito Policial da cidade.

Com comprimento e largura de quase três metros, a obra é uma escultura em resina de um livro com uma figura semelhante a um macaco deitada em cima dele. Foi o macaco a parte levada pelos criminosos. Ela estava exposta na parte externa do Museu Oscar Niemeyer, um dos espaços que recebe as exposições da Bienal.

A escultura não tem sinais de depredação, o que faz os organizadores da mostra e a polícia suspeitarem que o macaco tenha sido retirado com o uso de ferramentas, um processo que poderia levar uma ou duas horas -o que significa que o ladrão teve tempo para cometer o furto.

A partir desta segunda (19), a Polícia Civil vai consultar as câmeras de segurança do museu para tentar identificar o suspeito. A segurança da mostra é feita por uma empresa terceirizada, a Emparseg. Ainda não se sabe se as imagens do roubo foram captadas, mas Luiz Ernesto Meyer Pereira, presidente da Bienal de Curitiba, disse à Folha de S.Paulo que ela havia sido colocada naquele espaço por orientações da segurança, justamente por ficar numa área coberta pelas câmeras.

"Dá para ver que a pessoa não foi lá apenas uma vez, houve todo um estudo para retirar [a escultura] com cuidado, porque o que ficou não foi danificado", diz Pereira.

O presidente da Bienal afirmou ainda não poder estimar o valor da escultura, mas disse tratar-se de uma obra "valiosa".

"É uma obra valiosa, um artista extremamente conhecido, que faz parte de coleções em vários países. É uma tristeza que isso tenha ocorrido."

CRÍTICA DE RELIGIOSO

No começo do mês, a obra havia sido alvo de críticas do deputado estadual Ricardo Arruda (PEN-PR), missionário da Igreja Mundial do Poder de Deus, em vídeo postado em sua página no Facebook. O político dizia tratar-se de "um macaco" em cima da Bíblia.

"Não será uma inversão de valores contrariando a teoria de que criou o mundo e nos deu a vida foi Deus, colocando um macaco em cima da Bíblia? Não seria um desrespeito a quem é cristão?", dizia ele.

Procurado, Arruda disse à reportagem que não sabia, então, que se tratava de um trabalho chinês e que só soube do roubo neste sábado (17). Questionado se seu vídeo poderia ter ligação com o sumiço, disse acreditar que não. "Não acho que uma pessoa normal iria retirar isso. Isso é roubo. Acho que isso é mais uma coincidência."

Antes de criticar Pecado Original, porém, Arruda já havia se queixado de outra exposição do Museu Oscar Niemeyer: "Vestidos em Arte - Os Nus nos Acervos Públicos de Curitiba." Após reclamações, o Ministério Público do Paraná recomendou que a mostra avisasse aos visitantes do seu conteúdo e não permitisse o acesso de crianças desacompanhadas.

O presidente da Bienal de Curitiba evita relacionar o vídeo do pastor ao roubo. "Não posso fazer acusação alguma. [O vídeo] está na internet. Prefiro que todos tenham acesso e possam manifestar sua opinião. Ele não deixou nenhuma dúvida sobre sua opinião", diz.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber