Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Governo dos EUA sugere golpe militar na Venezuela

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, sugeriu nesta quinta-feira (1º) a possibilidade de um golpe militar na Venezuela, antes de iniciar sua primeira viagem à América Latina, ao lançar a estratégia do governo de Donald Trump para a região.

O chefe da diplomacia americana afirmou que, embora os EUA não estivessem estimulando uma "mudança de regime" no país, o "mais fácil" seria se o ditador Nicolás Maduro deixasse o poder. Previu que haverá uma "mudança" na Venezuela e disse que os EUA desejam que ela seja pacífica.

"Na história da Venezuela e dos países sul-americanos, às vezes os militares são o agente da mudança quando as coisas estão tão ruins e a liderança não serve ao povo", discursou na Universidade do Texas em Austin, aludindo aos golpes de Estado que ocorreram na região na segunda metade do século 20.

Mas acrescentou: "Se esse é o caso aqui, eu não sei".

"Maduro deveria voltar à sua Constituição e segui-la", afirmou, sugerindo que, se a situação esquentar muito para o presidente venezuelano, "tenho certeza de que ele tem amigos em Cuba que poderiam dar a ele uma boa 'hacienda' [grande propriedade] na praia".

VIAGEM

A viagem de Tillerson pela região começou nesta quinta pela Cidade do México, onde ele seria recebido em jantar pelo chanceler Luis Videgaray e outras autoridades do governo mexicano.

O secretário se encontra ainda com o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto. Na pauta da reunião, devem entrar temas como imigração, o muro na fronteira e as negociações do Nafta (o acordo de livre comércio entre EUA, México e Canadá).

"Todos os nossos esforços se concentrarão no Nafta e em ter certeza de que o pacto não entre em colapso", afirmou um diplomata mexicano. Trump tem ameaçado renegociar o acordo, que vê como prejudicial aos EUA.

Tillerson passa em seguida por Lima para reunião com o presidente Pedro Pablo Kuczynski e acertar a ida de Trump à cidade para a Cúpula das Américas, em abril.

A crise venezuelana será o principal tópico de discussão dos encontros de Tillerson com o presidente argentino, Mauricio Macri, em Buenos Aires e Bariloche, nos dias 3 e 4, e com o colombiano Juan Manuel Santos em Bogotá, no dia 6.

A viagem termina em Kingston, Jamaica, no dia 7.

PODERES IMPERIAIS

Tillerson alertou ainda contra a "presença crescente" da China e da Rússia na América Latina: "A América Latina não precisa de novos poderes imperiais que só buscam beneficiar si mesmos".

Segundo Tillerson, a China é agora o maior parceiro comercial de Chile, Argentina, Brasil e Peru, e governos com instituições fortes são necessários para proteger a soberania contra "atores potencialmente predadores".

"Hoje a China está ganhando terreno na América Latina. Usa seu poderio econômico para puxar a região para sua órbita; a questão é a que preço", disse. "O modelo de desenvolvimento estatal da China remete ao passado. Não tem de ser o futuro."

Para Tillerson, "a presença crescente da Rússia também é alarmante". "Nossa região deve ser diligente em sua proteção contra potências distantes que não refletem os valores fundamentais compartilhados nesta região."

O governo anterior, do democrata Barack Obama, dedicou pouca atenção à região, e não há expectativa de que Trump faça diferente. Ainda assim, Tillerson afirmou que "nos EUA, [a América Latina] tem um sócio multidimensional, que beneficia a ambos os lados".

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber