Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Febre amarela deve seguir para litoral via Serra do Mar

.

ANGELA PINHO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após entrar na região da Cantareira pela divisa com Minas Gerais, o vírus da febre amarela provavelmente seguirá seu caminho no Estado de São Paulo em direção à Serra do Mar, preveem as autoridades de saúde.

Por essa razão, cidades do litoral como Guarujá, Ilhabela e São Sebastião, entre outras, foram incluídas na campanha de vacinação com doses fracionadas, iniciada no dia 25. Desde então, cerca de 1 milhão de pessoas foram vacinadas no Estado.

Para Marcos Boulos, coordenador de Doenças da Secretaria da Saúde do governo Geraldo Alckmin (PSDB), a chegada ao litoral provavelmente não ocorrerá neste verão, mas será possível detectar antecipadamente a presença do vírus se começarem a aparecer casos de humanos ou macacos infectados na região de Angra dos Reis e Paraty, no Rio de Janeiro.

Por ora, isso não ocorreu. O litoral paulista não tem nenhum registro da doença, mas o caminho é considerado natural, uma vez que o vírus entrou na mata atlântica, já passou pelo Espírito Santo e afeta parte do Rio.

Boulos afirma ainda ser possível que todo o Estado de São Paulo venha a ser considerado área endêmica, ou seja, com circulação frequente do vírus da febre amarela. Por isso, a ideia é vacinar a população de todas as cidades paulistas até o final deste ano --mas de forma gradual.

A secretaria ressalta que pessoas sem indicação da vacina não devem correr aos postos, até porque o Estado registra três mortes por reação adversa à vacina desde 2017 e tem mais 12 sob investigação --os efeitos adversos são raros, porém graves.

Quem está fora da área de recomendação de vacina, ou não pretende viajar para área de risco, deve esperar a orientação médica ou da Saúde.

A previsão de rotas pelas quais a febre amarela pode avançar é feita desde 2017 com base em corredores ecológicos, regiões de mata por onde o vírus tem se espalhado.

Mapeamento da secretaria mostra que o vírus avançou por esses corredores desde 2016, chegando em três entradas. A primeira, pela região de São José do Rio Preto, no noroeste do Estado; a segunda, por Poços de Caldas, no sul de Minas, e a terceira, pela região de Extrema, cidade mineira na divisa com cidades paulistas da região da Serra da Cantareira.

Essa terceira entrada seria a responsável pelos casos em cidades como Mairiporã (77) e Atibaia (17). Uma hipótese para a volta da circulação do vírus é o aumento da área de reflorestamento do Estado.

TRATAMENTO

Desde o início do ano, o Estado de São Paulo fez seis transplantes em pessoas com hepatite fulminante causada por febre amarela. Cinco pacientes foram operados na capital, onde estão em recuperação, e um em Campinas, que não resistiu e morreu. A iniciativa é inédita no mundo.

Segundo o secretário David Uip, está em desenvolvimento um protocolo para uso de um remédio contra hepatite C para parte dos casos de febre amarela, como antecipou a Folha. Parte dos doentes já está recebendo o tratamento em caráter experimental.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber