Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Em Davos, premiê da Índia exorta cooperação, em contrapeso a Trump

.

LUCIANA COELHO, ENVIADA ESPECIAL

DAVOS, SUÍÇA (FOLHAPRESS) - Com um discurso todo em hindi que ecoou o tom neonacionalista de seu governo e uma ode a um mundo multipolar, o premiê indiano, Narendra Modi, abriu a plenária do Fórum Econômico Mundial de Davos nesta terça (23) para uma plateia lotada de empresários, executivos e nomes proeminentes da sociedade civil abordando dilemas da desigualdade.

O pronunciamento, porém, guardou alfinetadas ao presidente dos EUA, Donald Trump, que falará no último dos quatro dias de fórum: "Não é hora para muros", disse, em uma referência mal velada à insistência do americano em construir um na fronteira com o México.

"Não é o momento para isolacionismo", afirmou Modi. "Para mim, o tema deste fórum ['Construir um futuro compartilhado em um mundo fraturado'] é ao mesmo tempo contemporâneo e atemporal. Estamos todos ligados como uma família."

"É necessário que as maiores potências cooperem entre si, e que a competição entre essas potências não se torne uma guerra entre elas."

Em outro contraponto ao americano, que no ano passado anunciou a retirada de seu país do Acordo de Paris sobre o clima e da Parceria Transpacífico, Modi defendeu as negociações comerciais multilaterais e ressaltou o risco ambiental como uma das preocupações que, a seu ver, deveriam ser alvo de cooperação multinacional.

"O que podemos fazer juntos que vá melhorar essa situação? Todos falam em reduzir as emissões de carbono, mas muito poucos respaldam suas palavras em ações e se preocupam em ajudar os países em desenvolvimento" a lidar com o problema.

Assim, Modi alude a um pleito persistente dos países em desenvolvimento, que defendem que a fatia maior da conta para controlar o aquecimento global seja paga pelas nações desenvolvidas, que poluem há mais tempo.

O premiê também usou o discurso para enumerar feitos de seu governo na área ambiental, aproveitando o vácuo de liderança emergente na questão aberto pela perda de protagonismo do Brasil, e para reivindicar reformas no sistema de governança global, desenhado no pós-1945, que reflitam o avanço dos países em desenvolvimento.

No cargo desde 2014, Modi adota um discurso nacionalista combinado a reformas liberalizantes, equação que tem criado alguns atritos sociais em um país já fortemente estigmatizado por eles.

Na plenária, não fez diferente: pediu investimentos, falou de mudanças "sem precendentes" e ressaltou o "soft power" do país, mencionando o mahatma Gandhi (1869-1948), a difusão da yoga e da medicina ayuvérdica e a diversidade da sociedade indiana.

A Índia deve apresentar o maior crescimento entre as grandes economias neste ano e no próximo, com um avanço projetado pelo Fundo Monetário Internacional de 7,4% e 7,8%, respectivamente, 0,8 e 1,4 ponto acima da China, e, ao lado de Trump, ocupa o centro das atenções nesta 48ª edição do fórum.

O governo Modi e as empresas indianas investiram no evento, com uma delegação de mais de cem convidados e uma série de eventos especiais e recepções.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber