Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Neve dificulta início do Fórum Econômico Mundial em Davos

.

MARIA CRISTINA FRIAS E LUCIANA COELHO, ENVIADAS ESPECIAIS

DAVOS, SUÍÇA (FOLHAPRESS) - Uma tempestade de neve que se estende desde o fim de semana e reduziu o acesso por estrada ao resort de Davos, onde começa nesta terça-feira (23) a 48ª reunião anual do Fórum Econômico Mundial.

Com a neve acumulada em quase um metro, a viagem de Zurique até a cidade nos Alpes, normalmente feita em pouco mais de duas horas, levava de cinco a seis horas nesta segunda, deixando parte da elite econômica mundial presa em longos engarrafamentos.

Os eventos da noite de abertura atrasaram quase uma hora; e com a expectativa de uma audiência recorde devido à alta concentração de governantes esperados –mais de 70, incluindo o americano Donald Trump, as filas para passar pela segurança e entrar no Centro de Congresso se alongavam.

Nem todos conseguiram chegar a tempo da cerimônia de abertura, com o discurso do fundador e chairman do fórum, Klaus Schwab, sobre o tema desta edição, "Criar um Futuro Compartilhado em um Mundo Fraturado", e a entrega do Crystal Awards, que entre os homenageados teve o cantor britânico Elton John.

O músico exortou a plateia de pesos-pesados das finanças, da política e dos negócios a agir para reduzir a desigualdade. O mesmo recado veio do papa Francisco, que enviou uma mensagem pedindo uma economia mais humanizada.

Embora a redução da desigualdade seja um tema prevalente no fórum deste ano, que aborda a transformação do mercado de trabalho, ambiente e energia e o papel das mulheres, o tom geral do evento é de otimismo.

Mais cedo, o Fundo Monetário Internacional divulgou suas projeções de crescimento da economia global para este ano e o próximo, ambas revisadas para cima para 3,9%.

A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, fez a ressalva em seu pronunciamento na tarde desta segunda, ao apresentar o relatório: "Ainda existe gente demais de fora da recuperação: na verdade, um quinto dos mercados emergentes e das economias em desenvolvimento viram sua renda per capita encolher em 2017", afirmou, pedindo que os governantes e executivos não se acomodassem em uma "nova mediocridade" do ciclo econômico, agindo para aparar arestas e ajustar as contas.

A tradicional pesquisa da consultoria PwC com CEOs de 85 países indicou que as expectativas estão em seu nível mais alto desde 2012, quando as grandes economias começaram de fato a sair da crise que atingiu a economia global nos quatro anos anteriores.

VITRINE

Nesta terça, o fórum começa para valer. Serão mais de 400 sessões, incluindo pronunciamentos de presidentes e primeiros-ministros como Trump, o francês Emmanuel Macron, a alemã Angela Merkel, o italiano Paolo Gentiloni, o argentino Mauricio Macri e o brasileiro Michel Temer, que fala na quarta-feira, único dia em que estará em Davos.

O presidente desembarca nesta terça em Zurique, onde passa a noite e se dirige para os Alpes na própria quarta, antes de voltar novamente a Zurique e partir para o Brasil, na quinta. Com 10 mil habitantes, a estação de inverno suíça não comporta comitivas presidenciais, apesar da vasta rede hoteleira.

A agenda do presidente está fortemente concentrada em negócios e energia. Os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho, têm agenda cheia durante os quatro dias de encontro, assim como os presidentes da Petrobras, Pedro Parente, e da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior.

O prefeito de São Paulo, João Doria, também veio a Davos e avalia que o interesse no Brasil é forte, apesar do rebaixamento da avaliação do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor's.

"Todos os meus encontros com empresários estrangeiros em Davos foram agendados a pedido das empresas. E foram todos confirmados, mesmo com o 'downgrading'", disse Doria à reportagem.

Animados com a expectativa de recuperação, os governantes querem vender seus países à elite empresarial e financeira global como bons lugares para investir.

Nenhum discurso, no entanto, é tão esperado como o do americano Trump na sexta-feira. Embora tenha acabado de completar um errático primeiro ano na Casa Branca, o republicano tem bons dados econômicos para mostrar, sobretudo sua reforma tributária, com a qual pretende promover consumo e investimento no curto prazo.

A velocidade e o fôlego da celebrada recuperação, contudo, podem depender de o quanto Trump conseguirá convencer os investidores de sua capacidade de manter seu país nos trilhos apesar de seu humor volátil.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber