Mais lidas
Geral

Curso de Letras da USP recebe ameaça terrorista de suposto jihadista do Estado Islâmico

.

Reitoria da USP - Foto - Marcos Santos/USP Imagens
Reitoria da USP - Foto - Marcos Santos/USP Imagens

Um e-mail recebido pela coordenação do curso de Letras da USP assustou a comunidade acadêmica. Jurando "lealdade ao Estado Islâmico (Daesh) e ao califa Al-Baghdadi", um homem identificado como Murilo Ianelli Chaves ameaça invadir a faculdade e "matar o maior número de viados (sic), travestis, esquerdistas e feministas" possível.

A mensagem foi recebida no e-mail da coordenação na manhã desta segunda-feira. Além de ameaçar minorias, Murilo (que utiliza o e-mail com a alcunha bryan.william.lopex) diz ainda que vai jogar ácido sulfúrico em uma funcionária da graduação.

Conforme a assessoria de comunicação da USP, o e-mail seria uma resposta à expulsão de Victor Emanuel Barbuy do 6º Simpósio de Filologia e Cultura Latinoamericana, promovido pelos professores no último dia 29 de novembro. Na ocasião, Victor teria se autodenominado integrante do "movimento integralista" foi expulso por fazer declarações fora do escopo do evento. 

E-mail recebido pela comunidade acadêmica
da USP faz referência ao Daesh (Estado Islâmico)

Um vídeo postado no Facebook um dia depois do ocorrido registra o momento em que o homem, que não tem ligação acadêmica com a USP, é impedido de participar da palestra.

Internautas apontaram a autoria do e-mail de ameaça a um perfil no Facebook com mesmo nome. Na rede, o suposto autor da mensagem se diz ex-atirador do Exército Brasileiro e fundador de uma página com mais de 1 milhão de likes na rede social. Em sua foto de capa, o jovem ostenta uma arma e veste farda com padrão condizente ao das Forças Armadas. A Sputnik Brasil entrou em contato com o Exército para confirmar se há registros de algum "Murilo Ianelli" ativo ou na reserva. Esta reportagem será atualizada quando a questão for esclarecida.

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou que não poderia dar mais detalhes sobre o caso porque o Boletim de Ocorrência ainda não tinha sido fechado. À Reportagem, um investigador do 93º Distrito Policial, responsável pelo registro do ocorrido, informou que o caso foi lavrado como ameaça e o autor, embora identificado, não foi preso nem chamado a depor até o momento. 

O investigador não soube confirmar se a Polícia Federal, responsável por apurar ameaças terroristas, foi contactada. Ele também se negou a dizer se Ianelli é mesmo o nome real do autor do e-mail.

A Reportagem conversou com um aluno da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (FFLCH). Segundo o estudante, que não vai ser identificado, o clima na instituição "está um pouco tenso por causa dos ataques neonazis desde o acontecimento com o integralista na semana passada". A ameaça, porém, não foi levada a sério pelo corpo discente. "Especialmente por conta das 70 virgens. Até rimos disso […]. Acreditamos que é só mais um tentando criar causa e zombar do Islã", completou.

Pelo sim, pelo não, a FFLCH divulgou nota para a comunidade acadêmica no fim da tarde em que diz ter relatado "o episódio imediatamente à Superintendência de Segurança da USP. Este órgão acionou as autoridades policiais, que já identificaram o autor da mensagem e tomaram as providências cabíveis para garantir o funcionamento normal de todas as atividades acadêmicas", informa o texto.

Fonte: Agência de Notícias Sputnik

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber