Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - Com Catalunha em greve, rei critica região

.

DIOGO BERCITO, ENVIADO ESPECIAL

BARCELONA, ESPANHA (FOLHAPRESS) - O rei da Espanha, Felipe 6º, fez na terça (3) sua primeira declaração oficial sobre a crise catalã, no mesmo dia que Barcelona foi palco de uma extensa greve em apoio a independência.

O monarca, que raramente discursa à população, afirmou que as autoridades catalãs são "desleais".

"Eles se situaram à margem do direito e da democracia, tentaram romper a unidade da Espanha e a soberania nacional", disse. O discurso foi abafado por um panelaço em Barcelona.

O rei também defendeu o "firme compromisso da coroa com a democracia e a unidade da Espanha".

O movimento de independência catalã tem crescido desde 2012, quando ocorreram grandes atos de apoio a causa, e chegou ao auge com o plebiscito do domingo (1º) -que teve participação de 42% do eleitorado e vitória do sim com 90% dos votos.

O governo central em Madri não reconheceu o pleito e não vai aceitar uma eventual declaração de independência, prevista para os próximos dias. Ainda não há uma data para que o Parlamento catalão discuta o gesto.

PROTESTO

Barcelona, capital catalã e um dos principais destinos turísticos espanhóis, foi paralisada por uma greve parcial na terça.

Apenas 25% do transporte público funcionou. A infraestrutura nacional --linhas de trem e os aeroportos-- operou quase em normalidade. Atrações como o recinto modernista de San Pau e La Pedrera, de Antoni Gaudí, foram fechadas. A cidade recebeu 32 milhões de turistas em 2016.

As autoridades locais disseram que 700 mil pessoas participaram de protestos na cidade. Manifestantes enrolados em bandeiras catalãs entoaram o grito "as ruas sempre serão nossas", frase que se tornou espécie de hino das manifestações.

"A Catalunha é um povo explorado, e ainda por cima nos odeiam", afirmou Josep María Calbete, 82, durante um protesto "Uma Catalunha independente é viável, mas uma Espanha sem a Catalunha, não."

"Sempre acreditei que a independência catalã daria continuidade à nossa história", disse Ferrán Sabate, 64, no ato. "Fomos independentes por séculos, até sermos tomados por armas em 1714."

Naquele ano, o rei espanhol Felipe 5º tomou Barcelona e suspendeu a autonomia da região -a data é o feriado nacional da Catalunha.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber