Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - Sumiço de avião é 'inconcebível', diz relatório

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em um relatório de 440 páginas, o Escritório de Segurança de Transporte da Austrália concluiu que é "inconcebível na era da aviação moderna em que 10 milhões de passageiros embarcam em voos comerciais todos dias que um grande avião comercial esteja desaparecido".

O desaparecimento do Boeing 777, que partiu de Kuala Lumpur, na Malásia, com 239 pessoas a bordo no dia 8 de março de 2014, com destino a Pequim, na China, se tornou um dos episódios mais misteriosos da história da aviação.

"As razões para o desaparecimento do voo MH370 não podem ser determinadas com segurança até que a aeronave seja encontrada", diz o relatório divulgado nesta terça-feira (3).

Porém, as buscas, que duraram 1.032 dias e foram as maiores desse tipo na história, segundo o Escritório, foram infrutíferas.

Aviões, barcos, mergulhadores, imagens de satélites, mapeamento de correntes marítimas e até análise de organismos marinhos encontrados em um destroço na África foram usados para tentar localizar o avião -todos sem sucesso.

China, Malásia e Austrália suspenderam em janeiro deste ano os esforços de busca em meio a protestos de familiares dos desaparecidos.

Estima-se que os três países juntos tenham gasto cerca de US$ 60 milhões (RS$ 189 milhões) tentando localizar a aeronave e seus passageiros.

Acredita-se que o voo tenha se desviado de sua rota original e sobrevoado o sul do Oceano Índico antes de cair em algum local próximo à costa Oeste da Austrália.

O relatório revela ainda que o piloto do voo, Zaharie Ahmad Shah, fez em um simulador que tinha em casa um trajeto semelhante ao do avião que sumiu.

O documento do governo autraliano afirma que a compreensão de onde o avião pode estar "é melhor agora do que jamais foi", em parte por causa do estudo de destroços que foram levados pelo mar e apareceram em praias na costa leste da África.

Em agosto deste ano, cientistas australianos defenderam que o local da queda do avião ficava ao nordeste da região de busca, mas o governo local disse que não havia evidências suficiente para reabrir as buscas.

O governo da Malásia continua em busca do avião e contratou uma empresa privada para ajudar na procura.

O relatório recomenda a fabricantes de aviões e de equipamentos de aviação que forneçam métodos mais eficientes de rastreamento por satélite para os casos em que aeronaves enfrentam problemas durante os voos.

"Nós lamentamos profundamente não termos encontrado a aeronave e nenhum dos 239 passageiros que ainda estão desaparecidos", diz o relatório.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber