Mais lidas
Geral

Escritora Lílian Marçal de Oliveira fala dos anjos na infância 

.

Escritora Lílian Marçal de Oliveira observa que esses seres celestiais estão presentes desde o nascimento até o último suspiro de vida (Sérgio Rodrigo)
Escritora Lílian Marçal de Oliveira observa que esses seres celestiais estão presentes desde o nascimento até o último suspiro de vida (Sérgio Rodrigo)

A figura do anjo da guarda permeia o imaginário principalmente infantil. É nesta fase da vida que geralmente as crianças são apresentadas aos anjos. Aprendem a rezar o Santo Anjo e a pedir proteção a esses seres angelicais. A escritora Lílian Marçal de Oliveira, de Apucarana autora de duas obras sobre o assunto (Anjos: Mensageiros Alados de Deus e São Miguel Arcanjo - O Defensor dos Filhos da Terra) acredita que os anjos ocupam um papel fundamental na vida dos pequeninos. “E Deus, na sua infinita bondade, não só se preocupou em colocar um anjo guardião na infância de Jesus, mas também na infância de todos os seus filhos”, diz.

Lílian observa que alguns teólogos afirmam que os anjos da guarda exercem suas funções angelicais desde o nascimento até o último suspiro de vida. Já outros afirmam que os anjos são protetores inseparáveis a partir do batismo. “Independente de tais afirmações, os anjos existem e atuam constantemente em nossas vidas”, afirma.

Porém, para que ocorra esse contato angelical ou que seja fortalecido na vida adulta, segundo a escritora, é preciso que esse relacionamento seja alimentado pelos pais no período de desenvolvimento da criança. “Assim, desde cedo, a criança terá a consciência que há um Ser Supremo, que está sempre em contato com ela”, sublinha.

A escritora revela que esse suporte espiritual começa no lar. “Depois, quando as crianças chegam na faixa etária dos 7 aos 9 anos, começam a participar do Catecismo, ministrado nas Igrejas Católicas, que é alicerce para os pequeninos, abrindo um leque de conhecimento para sua caminhada cristã”, assinala.

Ainda segundo Lílian, esse processo deve ser trabalhado sutilmente, mostrando que os anjos existem e contemplam incessantemente a Deus, face a face, glorificando-o e servindo de ligação em prol da humanidade. “Deve ser apresentado com um significado puro, sem práticas de medo, deixando a criança livre para que possa imaginar seu anjo da guarda como seu amigo fiel”, comenta.

Para os mais novos, a escritora orienta os pais e educadores a conversar com as crianças, através de historinhas, desenhos e com exercícios recreativos, sobre a importância dos seres angelicais para o crescimento de cada um. “Nesse caso, a semente foi plantada e só germinará livremente na fase adulta, seguindo o livre arbítrio independente de religião”, argumenta.

Na avaliação de Lílian, que pesquisa sobre o assunto há cerca de 15 anos, o referencial dos anjos na infância é de suma importância, permitindo assim, maior possibilidade de fazer com que a criança veja com carinho que há um ser divino, que sempre estará lhe protegendo e afastando- a dos perigos e da alienação dos anjos maus.

Mesmo na vida adulta, apesar da rotina atribulada, a escritora garante que nada impede que essa conexão com o anjo guardião seja mantida. “Os anjos atuam em qualquer fase da vida. São seres maravilhosos, que sempre estão à disposição para nos orientar em qualquer aspecto”, diz.


Família unida em oração

Psicóloga Marilídia Guimarães Alves com os filhos Mateus, Ester, Davi e Daniel


Durante 40 dias, a rotina na casa da psicóloga Marilídia Guimarães Alves, 37 anos, de Apucarana, foi pautada por uma atividade em família. Ela, acompanhada do marido, o major Wilson Alves, 39, e dos filhos, Daniel, 12, Mateus, 11, Davi, 7, e Ester, 5, rezaram juntos a novena de São Miguel Arcanjo, que tem o dia 29 de setembro em sua homenagem. “Eu ensino sobre os anjos aos meus filhos, porque acredito que são instrumentos Santos que o Senhor nos deu para nos auxiliar, servir e ajudar em todos os momentos de nossas vidas, sejam necessidades físicas ou espirituais”, diz.

Para Marilídia, os anjos são instrumentos de Deus para a salvação. “Com isso, eu quero mostrar para os meus filhos que nem sempre eu estarei com eles, mas o Santo Anjo do Senhor estará, em todos os momentos de suas vidas para auxiliá-los, ajudá-los e conduzi-los no melhor caminho”, sublinha.

Na vida pessoal, ela diz que sente o auxílio do Santo Anjo da Guarda em todos os momentos. “Desde quando eu era pequena, meus pais já me falaram sobre a importância do anjo da guarda. Eles me ensinaram que não estamos sozinhos e eu cresci com essa fé. Os anjos são ministros de Deus que estão aí para nos servir. O desejo deles é de nos ajudar, nos salvar e nos conduzir para Deus”, comenta.

Marilídia garante que já sentiu em vários momentos da vida a presença concreta do anjo da guarda. “Quando preciso resolver algum problema, relacionado à uma outra pessoa, peço ao anjo da guarda que vá na frente e prepare aquela pessoa para mim. Eles nos inspiram, iluminam, agem dando sinais e usando nossa imaginação. Não precisamos convencê-los, só precisamos nos abrir à sua ação”, acredita.

E para as crianças, uma coisa é certa: “Os anjos existem para nos proteger”. Elas contam também que, além da novena a São Miguel Arcanjo, todos os dias eles pedem a intercessão do anjo da guarda para livrá-las do perigo. E claro, toda noite rezam as orações do Santo Anjo e também Anjinho da Guarda.

O calendário católico consagra o dia 2 de outubro aos Santos Anjos da Guarda.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber