Mais lidas
Geral

Doria anuncia projeto para o centro de SP e muda prazo durante entrevista

.

GUILHERME SETO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta terça-feira (26) um projeto de intervenções no centro da cidade a longo prazo, envolvendo a construção de bulevares nas principais avenidas, a instalação de um ônibus circular elétrico pela região e a construção do que o prefeito chamou de "edifícios icônicos", construções com potencial para serem marcos na paisagem da capital.

A Prefeitura de São Paulo havia anunciado inicialmente um prazo de 12 anos para a finalização do projeto "Centro Novo". No entanto, após ouvir do arquiteto Jaime Lerner (ex-prefeito de Curitiba e ex-governador do Paraná) durante entrevista coletiva que o prazo era longo, Doria decidiu mudar imediatamente para oito anos.

"Já falei aqui para o Bruno [Covas, vice-prefeito e secretário das Prefeituras Regionais] que adorei você dizer que quer acelerar. Então nós vamos acelerar. Já passei para o Bruno a orientação: vipt-vapt. Vamos fazer o que estávamos planejando em oito anos em 12. E dá para fazer. O Bruno engoliu seco, mas dá para fazer", disse Doria. "No planejamento original, a pedido do Bruno, estávamos trabalhando com o prazo de três gestões. Vamos reduzir para dois. E é possível porque tivemos notícia de melhoria da arrecadação. Com mais recurso também poderemos investir em programas de reurbanização física da área central da cidade. Mas não em obras, porque isso que vem vai fazer é o setor privado", completou.

Segundo o prefeito, a implantação do projeto será custeada por meio de recursos da iniciativa privada, de fundos de investimento (BNDES, Banco Interamericano de Desenvolvimento e do Banco Mundial), e da prefeitura. Cláudio Bernardes, presidente do conselho consultivo do Secovi-SP (sindicato do mercado imobiliário), órgão que ofereceu o projeto à prefeitura, estimou em R$ 300 milhões o custo para implantação dos bulevares nas principais avenidas da região (como Rio Branco e Duque de Caxias), e para efeito de comparação disse que um modal sobre trilhos custaria R$ 600 milhões, as obras prioritárias do projeto.

Sobre os ônibus que farão percurso circular no centro, Doria disse que estarão em funcionamento até 2020, o último ano de sua gestão.

"As duas linhas circulares vão contemplar pontos de interesse da cidade e privilegiar a conexão entre as estações de metrô, ônibus e trem", disse Sergio Avelleda, secretário de Transportes, que disse que a operação desse ser administrada por operadores privados a serem definidos a partir de licitação.

Em sentido horário, segundo planejamento da prefeitura, a linha circular deve ter 18 paradas em circuito de seis quilômetros: Sé, São Francisco, Teatro Municipal, Largo do Paissandu, Sampa, Vitória, Duque de Caxias, Rio Branco, Julio Prestes, Mauá, Luz, Poupatempo Luz, 25 de Março, Mercadão, Cantareira, Dom Pedro e Poupatempo Sé.

Em sentido anti-horário, a linha terá 19 paradas: Sé, Poupatempo Sé, Retortas, D. Pedro, Sesc, Mercadão, 25 de Março, Poupatempo Luz, Luz, Mauá, Julio Prestes, Princesa Isabel, Senai, Santa Cecília, Arouche, República, Biblioteca, João Mendes.

Sobre os bulevares, a ideia é a de mudar os parâmetros construtivos do centro, buscando investimentos para que a região seja adensada por meio da atração da classe média. Nesse sentido, além de trabalhos de melhoria das calçadas, arborização da região e iluminação, a prefeitura planeja alterações na lei de zoneamento para criar condições facilitadas para a chegada de investidores e a migração da classe média para o centro.

"Grande parte do que traz o projeto depende de alterações de leis. O melhor instrumento para se fazer isso é a alteração da Operação Urbana Centro. Isso porque grande parte da legislação regular de zoneamento do centro traz muitos imóveis tombados, muitas Zeis [Zonas Especiais de Interesse Social]. Isso tudo tem que ser tratado ao mesmo tempo para conseguirmos esse projeto de requalificação da área central", disse Heloisa Proença, secretária de Urbanismo e Licenciamento.

Nesse sentido, por exemplo, são estudados o fim da fruição pública (espaços abertos para toda a comunidade, mas mantido pelo dono do empreendimento) para hospitais e escolas, e o fim da obrigatoriedade de alargamento de calçadas para reformas e retrofits de edifícios no centro.

"Já temos uma porção de Zeis no centro, que colocam a primazia da habitação social popular. Mas não basta. A região central exige o retorno da população moradora. Exige a mistura de classes de renda. A ideia é a de ter instrumentos que facilitem e atraiam investimentos para classe de média renda e também alguns instrumentos que atraiam em outras localidades que não as Zeis, como os edifícios de uso misto, com atividades de serviço, comércio e moradia", completou Proença. "O desafio agora é atrair a classe de renda média."

ARQUITETURA

Doria ainda destacou que deseja a construção de edifícios que causem impressão na paisagem de São Paulo. Segundo ele, a cidade não tem construções icônicas à altura de seus arquitetos e de sua história.

"É inacreditável como a terceira maior capital do mundo, a sétima maior cidade do planeta, não tem edifícios icônicos. Qual é o símbolo da cidade? Não tem. Tem a ponte estaiada [ponte Octavio Frias de Oliveira] e o Masp, um projeto da década de 1950, da Lina Bo Bardi, e ficamos aí. Não faz sentido São Paulo não ter uma simbologia arquitetônica à altura de seus arquitetos e de sua dimensão. Vamos ter edifícios icônicos, sim. São Paulo tem que pensar grande, é uma cidade global", finalizou o prefeito, que atualmente trava uma disputa interna no PSDB com o governador Geraldo Alckmin para a escolha do candidato do partido ao Palácio do Planalto.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber