Mais lidas
Geral

Prédios públicos voltam a ser alvos de ataques em Santa Catarina

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Santa Catarina registrou ao menos dois ataques a prédios públicos nas cidades de Joinville e Navegantes, na noite deste domingo (3). Não houve feridos nem suspeitos presos.

Por volta das 20h30, uma Kombi da prefeitura de Joinville ( km de Florianópolis) foi incendiada no bairro Comasa. Segundo a Polícia Militar, criminosos jogaram um coquetel molotov dentro do um pátio de uma subprefeitura na rua Albano Schmidt.

Em Navegantes, criminosos dispararam vários tiros contra o fórum, na região central da cidade, por volta das 19h. Após o ataque, eles fugiram. Não houve feridos, de acordo com a PM.

No sábado (2), um artefato explosivo foi jogado contra a sede do Deap (Departamento de Administração Prisional), em Palhoça. A bomba caseira não explodiu e foi encontrada por seguranças durante inspeção de rotina no pátio do prédio.

Equipes do Bope (Batalhão de Operações Especiais) e do Cobra (Comando de Operações, Busca, Resgate e Ação) foram acionadas para retirar o explosivo artesanal e fazer a detonação.

Até a tarde da última sexta (1º), a Polícia Militar havia registrado ocorrências em 11 das 295 cidades do Estado. O número de ataques não foi divulgado.

Os alvos mais comuns foram instalações do governo, principalmente prédios da Secretaria de Segurança Pública, como bases policiais.

O ataque mais ousado do período ocorreu em Florianópolis, onde criminosos atiraram contra a guarita de segurança do centro administrativo do governo do Estado.

A investida foi registrada à 0h10 desta sexta. No momento dos disparos, só havia um policial no local. Ele não se feriu.

Uma base da Polícia Militar localizada na mesma área da cidade foi atacada minutos depois por dois homens. Eles deram cerca de dez tiros, depois fugiram de moto. Ninguém foi atingido.

Fora a capital catarinense, foram registrados ataques em São José, Palhoça, Navegantes, Camboriú, Joinville, Criciúma, Araranguá, Balneário Rincão, Balneário Arroio do Silva e Balneário Gaivota.

Além dos ataques contra instalações do governo desde a última quinta-feira (31), Santa Catarina registra uma onda de atentados contra agentes da segurança pública.

Desde o fim de agosto, três policiais militares e um agente prisional foram assassinados no Estado.

A Polícia Civil investiga os casos. Até esta sexta, a corporação não os havia relacionado aos atentados urbanos.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber