Mais lidas
Geral

Justiça arquiva inquérito de acidente aéreo que matou filho de Alckmin

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Justiça de São Paulo acatou pedido do Ministério Público e arquivou o inquérito que investigava a queda do helicóptero que matou Thomaz Rodrigues Alckmin, filho do governador Geraldo Alckmin (PSDB). O acidente ocorreu em Carapicuíba, região metropolitana de São Paulo, em abril de 2015.

Segundo o Ministério Público, as investigações apontaram problema relacionado à falha de material das pás do helicóptero, mas não ficou demonstrado erro humano que tivesse ocasionado o problema. Além de Thomaz Alckmin outras quatro pessoas morreram no acidente ocorrido durante um voo de teste da aeronave.

O relatório do Cenipa (órgão que investiga acidentes aeronáuticos), divulgado em abril, havia atribuído a queda ao fato de os controles flexíveis (ball type) e alavancas (bellcranck), fundamentais para o piloto controlar a aeronave em voo, estarem desconectados antes da decolagem.

A Promotoria de Carapicuíba, porém, discordou da conclusão, afirmando que a aeronave não poderia ter sido acionada tantas vezes, como foi naquele dia, se fosse esse o problema. Além disso, questionou um vídeo feito pela Airbus, fabricante da aeronave, que simulou as condições do voo no momento do acidente, apontando haver "informações imprecisas".

A investigação do Ministério Público então solicitou perícia nas pás da aeronave que se quebraram durante o voo. Segundo a promotora Sandra Reimberg, responsável pelo caso, as pás haviam retornado da manutenção feita pela empresa Helibrás, localizada em Itajubá (MG), no dia do acidente.

Em nota divulgada nesta quinta, o órgão afirma que as análises apontaram para irregularidades em serviços prestados pela Helibrás em relação quanto à pintura, balanceamento estático das pás e pesagem do tip, apontando que não foram seguidas todas as normas do fabricante na execução.

"No entanto, não foi possível atestar a existência de danos em decorrência destas inadequações. As anormalidades encontradas fogem da esfera criminal e foram levadas à Promotoria de Justiça do Consumidor de Itajubá (município onde fica a sede da Helibrás), à Agência Nacional de Avião e ao Cenipa.

ACIDENTE

O piloto Thomaz Alckmin participava de um voo de testes na aeronave a partir de um heliponto em Carapicuíba quando ocorreu o acidente minutos depois da decolagem.

O helicóptero caiu sobre uma residência dentro de um condomínio localizado em área nobre do município, na estrada da Fazendinha. Além do filho do governador, morreram no acidente o piloto Carlos Haroldo Isquerdo, 53, e os mecânicos Paulo Henrique Moraes, 42, Erick Martinho, 36, e Leandro Souza, 34.

O relatório da Polícia Civil, concluído no final do ano passado, apontava "negligência e imperícia por parte dos técnicos envolvidos na manutenção" e chegou a indiciar cinco pessoas, por homicídio culposo qualificado, homicídio culposo qualificado em coautoria, falso testemunho e alteração de imagens.

Na ocasião, o Ministério Público também refutou a conclusão da polícia e obteve aval da Justiça para continuar apurando o acidente por conta própria, suspendendo também os indiciamentos. Segundo a Promotoria, o perito da polícia não teria qualificação técnica.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber