Mais lidas
Geral

Morador de rua que viu carroceiro ser morto por PM morre após sofrer AVC

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Morreu nesta sexta-feira (21) o morador de rua Gilvan Artur Leal, o Piauí, principal testemunha da morte do carroceiro Ricardo Silva Nascimento, atingido por dois tiros disparados por um policial na última quarta-feira (12), em Pinheiros.

Em vídeo obtido com exclusividade pela reportagem, Piauí relata que foi ameaçado pelo PM após presenciar o assassinato. "Ele mandou eu sair da frente senão ia me acertar também. 'Você é o próximo, você viu tudo', ele disse", afirmou Piauí na gravação. O morador de rua costumava dormir em frente ao supermercado Pão de Açúcar, na rua Mourato Coelho, onde o crime ocorreu.

O caso está sendo investigado pela Corregedoria da Polícia Militar e pelo Ministério Público, que recebeu a denúncia da Ouvidoria da Polícia. O depoimento gravado em vídeo integra as investigações. Com a morte de Piauí, a apuração deve focar nas imagens captadas por câmeras de segurança de estabelecimentos próximos.

De acordo com o padre Julio Lancelotti, da Pastoral do Povo de Rua, Piauí sofreu um AVC (acidente vascular cerebral) e morreu na Santa Casa após ter uma série de convulsões. "Piauí estava muito abalado, chorava e relatava estar com medo das ameaças que tinha sofrido da polícia", escreveu o padre em sua página em uma rede social.

Segundo testemunhas, Nascimento foi atingido pelos disparos após a polícia ter sido chamada no fim da tarde de quarta-feira (12) pela atendente de uma pizzaria onde ele tinha ido pedir um pedaço de pizza. Dois policiais que estavam fazendo ronda a pé chegaram rápido.

Alterado, o carroceiro os ameaçou com um pedaço de pau. Um deles mandou ele abaixar o pau antes de disparar duas vezes à queima-roupa. O corpo foi colocado inerte no porta-malas de uma viatura da Força Tática e levado ao Hospital das Clínicas, onde chegou sem vida.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública, os dois policiais e a equipe da Força Tática envolvidos na ocorrência foram afastados do trabalho nas ruas. Foram instaurados inquéritos policial e criminal.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber