Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - EUA emitem vistos extras para menos qualificados

.

OBS.: INCLUI EUA-SAÚDE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os EUA autorizaram nesta segunda (17) a emissão de 15 mil vistos adicionais para trabalhadores sazonais devido à falta de mão de obra em setores de baixa qualificação.

O anúncio, uma concessão ao lobby da indústria pesqueira, hoteleira e outras, contradiz a bandeira anti-imigração do governo de Donald Trump, que vem estimulando empresários do país a comprar produtos americanos e priorizar trabalhadores do país. Nesta segunda, ele participou de uma exibição de produtos americanos no gramado da Casa Branca.

O secretário de Segurança Interna, John Kelly, afirmou que a medida demonstra o "compromisso do governo em apoiar as empresas americanas".

Segundo funcionários do departamento, os vistos adicionais serão do tipo H-2B e representam um aumento de 45% no limite máximo semestral de emissão. A lei atual fixa em 33 mil o teto de vistos H-2B emitidos por semestre.

As empresas que desejem contratar mais estrangeiros temporariamente deverão solicitar autorização do governo e comprovar que, sem os imigrantes, seus negócios correriam riscos.

Em fevereiro, Trump pedira ao Congresso mudança nas regras de imigração no país para priorizar trabalhadores estrangeiros com alta qualificação -mesma abordagem adotada por seu antecessor, o democrata Barack Obama.

Apesar de algumas medidas midiáticas que falam a seu eleitorado -como retirar os EUA do Acordo de Paris sobre o clima e do Tratado Transpacífico de livre comércio, além da tentativa de barrar visitantes de alguns países de maioria islâmica- Trump vem encontrando dificuldade em manter suas bandeiras mais importantes.

Uma delas é a priorização dos produtos americanos.

Algumas de suas empresas e a marca e a marca de roupas de sua filha Ivanka são acusadas de produzir parte de suas mercadorias no exterior, em países como a China, que Trump criticou na campanha eleitoral e acusou de deslealdade comercial.

REFORMA DA SAÚDE

O presidente, que tem dedicado parte do tempo a dirimir suspeitas sobre a ligação de seus assessores com Moscou, também enfrenta empecilhos para fazer avançar sua agenda no Congresso.

Sua proposta de reforma da saúde para substituir aquela instituída por Obama já foi reformulada duas vezes pela bancada republicana, majoritária, e mesmo assim é incerto que obtenha votos suficientes para aprovação.

A votação no Senado, prevista para ocorrer nesta semana, foi adiada mais uma vez pelo líder da maioria na na Casa, Mitch McConnell.

McConnell alegou querer esperar o retorno do senador republicano, John McCain, 80, que se submeteu a uma cirurgia para a remoção de um coágulo. McCain, presidenciável derrotado em 2008, precisa de pelo menos uma semana para se recuperar.

O partido de Trump tem 52 das 100 cadeiras no Senado, e uma falta pode pesar.

Aliados de Trump também se mostram impacientes com a demora em lançar uma proposta de reforma tributária, prometida na campanha.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber