Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - Após consulta, adversários de Maduro prometem intensificar protestos

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Adversários do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciaram nesta segunda-feira (17) que pretendem promover uma escalada nos protestos contra o governo após o plebiscito informal da véspera em que milhões de pessoas expressaram descontentamento com a situação do país.

Dirigentes da coalizão opositora MUD (Mesa de Unidade Democrática) avaliam adotar táticas como bloqueios e ocupações de vias e até uma greve nacional. Eles exigem o cancelamento da Assembleia Constituinte convocada por Maduro, cujos membros deverão ser eleitos no próximo dia 30.

Uma onda de protestos contra o governo iniciada em abril já deixou mais de 90 mortos.

No domingo (16), a oposição realizou uma consulta informal em rechaço à Constituinte e a favor da convocação de eleições gerais. Segundo os organizadores, 7,2 milhões de pessoas votaram e mais de 98% expressaram apoio às bandeiras dos opositores.

"O que deverá acontecer agora é que nós consigamos materializar o mandato que o povo nos deu para que não haja Constituinte, que uma minoria quer impor, renovar os poderes públicos e realizar eleições", disse nesta segunda (17) o deputado Julio Borges, que lidera a Assembleia Nacional, controlada pela oposição.

A consulta teve o apoio da Organização das Nações Unidas, da Organização de Estados Americanos, dos Estados Unidos e de governos da América Latina e da Europa.

Em Caracas, homens armados atiraram contra um centro de votação, matando uma pessoa e ferindo outras quatro.

O chavista Jorge Rodríguez, chefe de estratégia e propaganda do Comando de Campanha Constituinte, afirmou nesta segunda (17) que o plebiscito foi irregular e fraudulento. "Houve pessoas que votaram em várias ocasiões e em diferentes lugares. Uma única pessoa votou 17 vezes", disse.

Seguidores de Maduro participaram no mesmo dia de uma simulação organizada pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE) para a eleição da Constituinte.

O Itamaraty disse nesta segunda (17) que a alta participação no plebiscito opositor expressa a "vontade do povo venezuelano de pronta restauração do estado democrático de direito" e pediu o cancelamento da Constituinte.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber