Mais lidas
Geral

Carroceiros fazem protesto contra morte de colega pela PM em São Paulo

.

MARIANA ZYLBERKAN

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Carroceiros que trabalhavam com Ricardo Silva Nascimento, 38, em um ferro-velho em Pinheiros trocaram o entulho para carregar cartazes de protesto no fim da tarde desta quinta-feira (13).

Em manifestação, ao menos quinze deles marcharam com suas carroças até a esquina das ruas Mourato Coelho e Navarro de Andrade, onde Nascimento foi morto a tiros por um policial militar na tarde de quarta-feira (12).

O comboio foi liderado pela carroça de Nascimento, que foi pintada de branco e presa com uma corrente a um poste a poucos metros de onde foi morto. Ao lado, foi montado uma espécie de altar com flores e velas deixados por moradores dos prédios no entorno. "Somos nós que fazemos a limpeza de São Paulo, não podem nos matar como animais", disse o carroceiro Aparecido dos Santos, 65.

Uma professora pegou flores no jardim do prédio onde mora, a poucos metros da cena do crime, e colocou na calçada. "Estou indignada". Segundo testemunhas, a polícia foi chamada no fim da tarde de quarta (12) pela atendente de uma pizzaria onde ele tinha ido pedir um pedaço de pizza.

Dois policiais que estavam fazendo ronda a pé chegaram rápido. Alterado, o carroceiro os ameaçou com um pedaço de pau. Um deles mandou ele abaixar o pau antes de disparar duas vezes a queima roupa. O corpo foi colocado inerte no porta-malas de uma viatura da Força Tática e levado ao Hospital das Clínicas, onde chegou sem vida.

O carroceiro tinha transtornos mentais e problemas com alcoolismo, mas vizinhos afirmam nunca tê-lo visto cometer atos de agressão.

Carroças foram usadas para fechar dois quarteirões da rua Mourato Coelho. "Queremos justiça", "Foi execução", gritavam os carroceiros, com cartazes nas mãos.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública, os dois policiais e a equipe da Força Tática envolvidos na ocorrência foram afastados do trabalho nas ruas. Foram instaurados inquéritos policial e criminal e as câmeras de segurança da região serão analisadas pela polícia, de acordo com a pasta.

DIFICULTAÇÃO DA PERÍCIA

Segundo a Ouvidoria da PM, a conduta dos policiais após o assassinato buscou dificultar a realização da perícia. Mais cedo nesta quinta (13), o ouvidor Júlio César Fernandes Neves disse que a remoção do corpo do carroceiro pelos policiais foi feita "para descaracterizar a realização de uma perícia completa do local".

Neves afirma ter ouvido de testemunhas que o carroceiro foi atingido por três disparos, sendo um no peito e dois na cabeça. Uma moradora ouvida pela reportagem, porém, afirma ter ouvido dois disparos.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber