Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - Qatar volta a rejeitar exigências, e nações árabes mantêm boicote

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro saudita de Relações Exteriores, Adel al-Jubeir, afirmou nesta quarta-feira (5) que os países aliados Arábia Saudita, Emirados Árabes, Egito e Bahrein manterão boicote ao Qatar.

Mais cedo, o Qatar voltou a classificar de "irrealista" e "não acionável" a lista de reivindicações apresentada pelos países vizinhos para acabar com a crise diplomática no golfo Pérsico.

"[A lista] não trata de terrorismo, mas sim de acabar com a liberdade de expressão", disse o chanceler do Qatar, Mohammed bin Abdulrahman, segundo a emissora Al Jazeera.

Na terça (4), o Qatar respondeu às exigências em uma mensagem enviada ao Kuait, país que atua como mediador na crise.

A Arábia Saudita e seus aliados lamentaram o posicionamento da nação vizinha. Representantes dos países se reuniram no Cairo para decidir os próximos passos em relação a Doha.

"[A resposta] reflete a falta de compreensão da gravidade da situação", disse o ministro egípcio de Relações Exteriores, Sameh Chukri.

Em junho, os quatro aliados árabes apresentaram uma lista de exigências ao Qatar, com quem romperam relações diplomáticas acusando o país de financiar o terrorismo. Dentre os pedidos estão o fim das relações com o Irã, o encerramento da Al Jazeera e o fechamento de uma base militar que a Turquia mantém no país.

O Qatar, que nega as acusações de apoio ao terrorismo, pediu diálogo para resolver a crise.

"O país está disposto a iniciar um processo de negociações para garantir a sua soberania", disse Abdulrahman.

O porta-voz do governo do Qatar, Saif al-Thani, já havia dito que a lista "não cumpre os critérios de razoabilidade e factibilidade".

Analistas externos veem o boicote ao Qatar como uma tentativa de barrar a crescente autonomia do país e reinseri-lo na esfera de influência saudita.

O pequeno país do Golfo é o maior produtor de gás natural do mundo e será sede da Copa de 2022. Além disso, abriga a maior base militar americana no Oriente Médio.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber