Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - Grupos chavistas invadem Assembleia Nacional e ferem deputados

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um grupo de simpatizantes do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e de integrantes de milícias chavistas conhecidas como "colectivos" invadiram nesta quarta-feira (5) a sede da Assembleia Nacional, em Caracas.

A imprensa local relatou que os militantes entraram no local de forma violenta por volta das 12h (13h em Brasília) e agrediram ao menos cinco deputados da oposição e sete funcionários, além de intimidar jornalistas. Antes disso, o grupo havia se concentrado em frente ao local e atirado rojões.

Segundo relatos de opositores, a polícia não interveio para impedir a invasão.

Durante a manhã, o vice-presidente venezuelano, Tareck el-Aissami, havia convocado a população a se reunir na Assembleia Nacional para protestar contra a maioria opositora, que classificou de "traidora".

A invasão ocorreu enquanto os deputados realizavam uma sessão para celebrar o Dia da Independência, que marca a data em que, há 206 anos, a Venezuela se separou da Espanha.

Maduro condenou a invasão e disse ter ordenado uma investigação sobre o episódio para que "se faça justiça".

"Eu condeno absolutamente esses acontecimentos, até onde os conheço. Nunca serei cúmplice de nenhum ato de violência", afirmou.

No ano passado, o TSJ (Tribunal Supremo de Justiça) declarou que o Legislativo age em "desacato" à Constituição, deixando de reconhecer suas decisões devido à posse de três deputados cuja eleição foi anulada devido a indícios de fraude.

No fim de março, o TSJ emitiu decisões que suspendiam a imunidade parlamentar e transferiam para a Justiça o poder de legislar. As medidas, revertidas poucos dias depois, foram o estopim da atual onda de protestos contra o governo Maduro, que já deixou 90 mortos.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber