Mais lidas
Geral

Dissidências de republicanos adiam votação do Trumpcare no Senado

.

MARCOS AUGUSTO GONÇALVES

NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - A dificuldade crescente de alcançar um consenso em torno do projeto para revogar e substituir o Obamacare (lei de saúde criada pelo governo Barack Obama) levou a liderança do Partido Republicano no Senado norte-americano a adiar, nesta terça (27), a votação do texto.

Inicialmente prevista para esta semana, como desejava o presidente Donald Trump, a a tentativa de aprovação da nova lei de assistência à saúde ficou para depois do recesso parlamentar da semana que vem, motivado pelas comemorações do 4 de Julho, dia da Independência.

Senadores de diversas alas do partido já vinham manifestando descontentamento desde a quinta-feira passada, quando o projeto foi apresentado.

Na segunda-feira (26), o Comitê de Orçamento do Congresso estimou que a nova legislação poderá deixar 22 milhões de pessoas sem seguro de saúde até 2026.

A divulgação das previsões ampliou as resistências e obrigou os republicanos a mudarem o cronograma.

O líder republicano no Senado, Mitch McConnell, do Kentucky, disse que a votação foi adiada mas que o partido vai tentar chegar a um acordo até o fim desta semana para assegurar pelo menos 50 votos.

O republicanos têm 52 cadeiras, contra 48 do Partido Democrata —que deverá votar em bloco contra o projeto. A situação, assim, não pode perder mais de dois votos. No caso de um empate de 50 a 50, o vice-presidente Mike Pence tem direito ao desenlace.

As desavenças envolvem desde intransigências ideológicas de ultraconservadores a preocupações com os impactos financeiros que a legislação acarretará nos Estados, passando por apreensões sobre possíveis consequências eleitorais negativas.

O adiamento foi um contratempo político para Trump, que apostava numa aprovação rápida.

Na Câmara, depois de uma derrota no mês de março, o projeto do "Trumpcare" foi alterado e votado em 4 de maio, sem contar, porém, com o parecer prévio do Comitê de Orçamento ­—que posteriormente estimou em 23 milhões o número de americanos que ficariam sem cobertura até 2026.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber