Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - Caminhão-tanque explode em estrada e deixa 140 mortos no Paquistão

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ao menos 140 pessoas morreram neste domingo (25) após a explosão de um caminhão-tanque carregado de combustível em uma estrada no centro do Paquistão. Muitas das vítimas tentavam pegar a gasolina do veículo, que havia tombado pouco antes.

A explosão aconteceu após alguém acender um cigarro, segundo as autoridades.

O caminhão tombou em uma curva fechada de uma estrada perto da cidade de Bahawalpur, que fica a cerca de 600 km da capital, Islamabad.

O motorista perdeu o controle do veículo após um pneu estourar, de acordo com o governo local. Ao vê-lo tombado, uma multidão foi até ele para pegar gasolina usando panelas, tambores e outros recipientes. O veículo carregava 40 mil litros de combustível.

A explosão ocorreu cerca de 45 minutos após o tombamento e gerou uma enorme bola de fogo, que matou ao menos 140 pessoas, entre elas 20 crianças. Há também mais de 80 feridos, 40 deles em estado grave.

"De acordo com relatos iniciais, alguém tentou acender um cigarro", disse Jam Sajjad Hussain, porta-voz das equipes de resgate.

O fogo atingiu mais de cem veículos que estavam na estrada, incluindo carros, ônibus e motos. Muitos deles estavam presos no trânsito gerado após o capotamento.

Neste fim de semana, há forte movimento nas estradas do Paquistão devido às celebrações do fim do Ramadã, mês sagrado para os muçulmanos.

Cerca de 500 pessoas estavam perto do caminhão quando o fogo começou. "Tentamos convencer as pessoas a se afastar, mas ninguém ouvia", disse Khalil Ahmed, 57, morador de uma vila próxima que perdeu 12 familiares no incêndio.

O exército do Paquistão enviou helicópteros para levar os feridos a hospitais.

Os bombeiros levaram duas horas para apagar as chamas. O motorista do caminhão sobreviveu ao acidente e foi detido pela polícia.

A gasolina é um produto valioso no Paquistão, onde mais de 60% dos moradores vive com menos de US$ 3 (cerca de R$ 10) por dia, de acordo com dados do Banco Mundial.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber