Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Austrália suspende bombardeios na Síria após tensões entre EUA e Rússia

Loading...

GERAL

Austrália suspende bombardeios na Síria após tensões entre EUA e Rússia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Austrália anunciou nesta terça-feira (20) ter suspendido temporariamente seus bombardeios contra a organização terrorista EI (Estado Islâmico) na Síria após um novo episódio de tensão militar entre a Rússia e os Estados Unidos.

Depois que os Estados Unidos derrubaram um jato do regime sírio no fim de semana, o governo de Moscou anunciou na segunda-feira (19) a interrupção do canal de comunicação criado para evitar colisões aéreas sobre a Síria e ameaçou derrubar aviões da coalizão internacional liderada por Washington que voem a oeste do rio Eufrates.

"Por precaução, as operações de bombardeio das forças australianas na Síria cessaram temporariamente", disse em nota o Exército do país, acrescentando que as missões no Iraque serão mantidas. "Os oficiais da Força de Defesa Australiana acompanham de perto a situação aérea na Síria e uma decisão sobre o reinício das operações aéreas será tomada no momento apropriado."

A Austrália foi o primeiro país a anunciar a suspensão de suas operações aéreas na Síria desde o início das novas tensões entre a Rússia e os Estados Unidos. O Exército australiano mantém seis jatos militares em base nos Emirados Árabes Unidos que participam das operações na Síria e no Iraque.

Essa foi a primeira vez, desde que a coalizão começou a atuar na Síria, em 2014, que os Estados Unidos derrubaram um avião do regime do ditador Bashar al-Assad -o país financiava rebeldes que lutam na guerra civil, iniciada em 2011, para tentar derrubar o ditador.

Os Estados Unidos justificaram a derrubada com base no princípio de autodefesa, dizendo que o jato sírio estava jogando bombas perto de posições das FDS (Forças Democráticas da Síria), coalizão de milícias curdas e árabes que luta contra o EI com apoio americano.

Por sua vez, a Rússia, principal aliada de Assad, classificou o abatimento de "violação cínica" da soberania da Síria e da lei internacional e cobrou Washington a tomar medidas corretivas.

Com o apoio de Moscou, o regime sírio retomou nos últimos meses territórios do EI a oeste do rio Eufrates. Já as FDS têm liderado a campanha contra os extremistas a leste do rio e atualmente conduzem uma operação por terra para expulsar o EI de Raqqa, bastião da facção no país.

Na segunda-feira (19), a Casa Branca buscou amenizar as tensões com Moscou, dizendo ser "importante e fundamental" manter abertas as vias de comunicação para evitar conflitos.

Em abril, os dois países chegaram a reduzir temporariamente sua colaboração militar após o Exército americano bombardear posições do regime sírio em retaliação a um suposto ataque químico ordenado por Assad que matou ao menos 80 pessoas no noroeste do país.

Na época, os dois governos admitiram que a relação entre Washington e Moscou havia chegado ao seu pior ponto desde o fim da Guerra Fria.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias