Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - Ataques em Parlamento e mausoléu no Irã matam 12; EI reivindica ação

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um atentado duplo com atiradores e homens-bomba contra o Parlamento do Irã e o mausoléu do aiatolá Ruhollah Khomeini, líder da Revolução Islâmica de 1979, deixou ao menos 12 mortos e 42 feridos nesta quarta-feira (7).

O Parlamento estava em sessão no momento em que atiradores invadiram o local e fizeram reféns. Um dos invasores se explodiu. O edifício em Teerã foi cercado por policiais e houve troca de tiros, que durou mais de três horas e terminou com alguns mortos e dezenas de feridos, além de quatro terroristas mortos no local.

Pouco após o início do ataque no Parlamento, um homem-bomba se explodiu e outro suspeito foi morto a tiros próximo ao mausoléu de Khomeini, alguns quilômetros ao sul de Teerã. Segundo alguns relatos, o ataque deixou um segurança morto e quatro pessoas feridas.

As autoridades iranianas disseram ter conseguido evitar um terceiro ataque e pediram que a população não utilizasse o sistema de transporte público.

Mais tarde, o chefe de polícia da capital iraniana, Hossein Sajedinia, disse que cinco suspeitos de envolvimento com os ataques haviam sido presos.

ESTADO ISLÂMICO

A facção terrorista Estado Islâmico reivindicou a autoria dos ataques. É a primeira vez que a milícia reivindica uma ação no Irã.

O Estado Islâmico prega uma interpretação radical da seita sunita do islã. Na Síria, a facção combate o regime do ditador Bashar al-Assad e grupos xiitas, apoiados pelo Irã.

O regime iraniano, por sua vez, promove a seita xiita, que é seguida pela maioria da população do país mas é minoritária no mundo islâmico.

Caso se confirme a participação do Estado Islâmico nos ataques desta quarta-feira em Teerã, a república islâmica pode passar a atuar mais diretamente na luta contra a milícia no Iraque e na Síria.

A Guarda Revolucionária, elite do Exército iraniano, relacionou os governos dos Estados Unidos e da Arábia Saudita aos atentados desta quarta-feira, citando a recente visita de Donald Trump a Riad.

"Esta ação terrorista ocorrida após o encontro do presidente dos Estados Unidos com o chefe de um dos governos reacionários da região, que sempre apoiou os terroristas, é repleta de significado e a reivindicação pelo Daesh [acrônimo em árabe para o Estado Islâmico] mostra que estão envolvidos", diz em nota.

A Casa Branca, por sua vez, condenou o atentado. A porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, disse que os EUA estão "enviando pensamentos e orações" ao povo iraniano vítima do ataque.

O presidente americano, Donald Trump, afirmou em um comunicado que reza pelas vítimas do ataque, mas que "Estados que patrocinam o terrorismo correm o risco de se ver vítimas do mal que promovem".

O governo brasileiro repudiou os ataques. "O Brasil reitera sua condenação a todo e qualquer ato de terrorismo, independentemente de sua motivação", afirmou o Itamaraty.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber