Mais lidas
Geral

'Errei, peço desculpas', diz secretário após briga com agente cultural

.

SÓ PODE SER REPRODUZIDA COM ASSINATURA

MÔNICA BERGAMO E RAFAEL BALAGO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O secretário de Cultura de SP, André Sturm, afirma que errou ao dizer que "iria quebrar a cara" de um agente cultural na tarde de segunda (29). "Eu errei ontem [segunda], peço desculpas", afirma.

A ameaça aconteceu durante uma reunião entre o secretário e o agente cultural Gustavo Soares, do Movimento Cultural Ermelino Matarazzo, na secretaria de Cultura. Membro de um grupo que faz ocupação da Casa de Cultura do bairro, Gustavo estava na secretaria para discutir a gestão do espaço. Durante a reunião, após ser confrontado, Sturm disse também: "Vocês querem fazer esse discursinho babaca. A gente não tá conversando. Você é um chato, rapaz!"

O movimento publicou nesta terça (30) uma nota de repúdio à atitude do secretário.

Segundo Sturm, Gustavo e outros jovens da ocupação foram convidados para a reunião de segunda (29), depois de um mês de conversas, para serem apresentados à solução jurídica encontrada pela secretaria para que o grupo pudesse continuar com suas atividades na Casa de Cultura.

"A gente tem todo interesse em fazer parceria. Encontramos uma saída jurídica: um termo de cessão de uso do espaço dado pela prefeitura. Eles precisariam manter o espaço e mandar um relatório mensal das atividades que eles fizeram, só isso", diz Sturm.

"Achei que eles iam ficar felizes, afinal encontramos uma solução! Aí me disseram que não queriam nada disso, que queriam um auxílio financeiro sem prestar contas. E começaram a me confrontar, a me confrontar e eu confesso que caí na armadilha. Tanto ele tava mal intencionado, que ele estava gravando. Ele queria me estressar", diz Sturm.

O secretário diz que recebeu na própria segunda (29) a proposta de apoio financeiro do grupo, por isso ela ainda não havia sido avaliada.

"Desde sábado eu estava nervoso, porque fui perseguido na saída de uma audiência pública na sexta. Fiquei 1 hora e 40 lá sendo ofendido, toda vez que tentava falar, eles vaiavam. E eu mantive a fleuma, como deveria fazer. Quando tentei sair, a Guarda Municipal teve que fazer um corredor, porque queriam me agredir. Um guarda me falou: 'Corre!', e eu tive que me trancar na cozinha!", diz ele.

"É claro que isso não justifica. Não estou dizendo isso para falar 'coitadinho de mim'. Nunca deveria ter dito 'vou quebrar a sua cara' para um garoto, claro que não devia. O problema é que muitas pessoas não estão interessadas em dialogar, elas querem brigar. Aí eu caí na armadilha, perdi a linha, fiquei nervoso. Eu deveria ter mantido a calma. Agora, eu sou um ser humano, tenho sangue, e erro. Então, novamente, peço desculpas", diz Sturm.

A OCUPAÇÃO

"Estamos analisando quais providências vamos tomar na questão jurídica. Levamos a sério tanto a ameaça de me agredir quanto a de nos tirar daqui", disse Soares.

O movimento passou a ocupar a antiga sede da prefeitura regional do bairro em setembro do ano passado. O prédio estava abandonado há anos e passou a receber atividades como saraus, shows e cursos.

Para isso, foi firmado um convênio de seis meses entre o movimento e a Secretaria de Cultura, ainda sob comando da gestão Fernando Haddad (PT). O grupo recebeu R$ 100 mil para custear suas atividades.

O contrato terminou em março e, desde então, o movimento passou a negociar a renovação. Enquanto isso, os artistas receberam apoio de empresas locais e também passaram a fazer apresentações sem pagamento.

"Essa ocupação nasce de 30 anos de luta por cultura no bairro. Antes dela, Ermelino tinha só uma biblioteca, que não dá conta de atender à demanda por espaço dos coletivos de artistas daqui", prossegue ele. "As ocupações são espaços importantes que atendem comunidades que não tem outros equipamentos".

Soares questiona a posição da prefeitura de querer ceder o espaço sem prever remuneração para os artistas. "A proposta foi rejeitada pelo movimento, o secretário ficou insistindo e a conversa acabou se desequilibrando. Mas isso demonstrou que ele não conhece a lógica da cultura na cidade de São Paulo".

Veja abaixo a transcrição do momento da discussão:

Gustavo Soares - Não vemos necessidade de formalizar uma parceria com o poder público e não ter nenhum retorno financeiro. Continuamos fazendo nossas atividades da forma que a gente sempre fez, de maneira autônoma sem ter de burocratizar o processo. Não faz sentido esse termo de parceria sem nenhum repasse financeiro. Se tivesse feito, teríamos formalizado. (...) Não estamos nos preocupando com o risco de sermos expulsos do espaço, pois estamos respaldados por toda a comunidade ao redor, empresas, comércios, agentes culturais do bairro reconhecem o trabalho. A proposta não me agradou

André Sturm - Se vocês acham que não precisam disso, não tem problema nenhum. Não quer dizer que eu não conheça a legitimidade do trabalho de vocês, mas legitimidade e nada é a mesma coisa. Se o subprefeito regional quiser chegar lá, fechar a porta e não deixar vocês entrarem mais, ele fecha.

Soares - O espaço não é da prefeitura regional. A gente está numa casa de cultura, e essa decisão teria de vir da Secretaria de Cultura.

Sturm - Se eu quiser fechar a porta e não deixar vocês entrarem, eu também posso. (...) Eu acho que é bom vocês formalizarem. Hoje sou eu, ontem era outro, amanhã pode ser outra pessoa. E aí vocês correm risco. Se vocês não veem vantagem nisso, tudo bem. Vamos analisar a proposta financeira de vocês e ver o que vamos fazer, mas não vamos fazer nada enquanto não tiver formalizado. Para nós, o primeiro passo é a formalização. O segundo passo é fazer uma parceria financeira. E a formalização vai ser feita primeira nos espaços que são nossos.

Soares - Mas são espaços públicos, que muitas vezes estão na Secretaria de Cultura, mas que funcionam como polos culturais, e que a secretaria poderia, ou deveria, ter um olhar sobre esses espaços. A questão da regulamentação no nosso caso não faz o menor sentido. A gente teve um aporte financeiro para realizar nossas ações, que deu muito resultado. Então a gente, que é um movimento autônomo, se amarrar ao poder público, prestar contas do que estamos fazendo, sendo que o poder público não está fazendo nada, nem colocando dinheiro, ai fica complicado...

Sturm - Você pode opinar o que você quiser, mas o espaço é público, é do governo. Você tem que prestar contas do que você faz lá. Se não formalizar, nós vamos tirar vocês de lá. Público não é de qualquer um. Público é do governo...

Soares - Mas esteve abandonado por 20 anos.

Sturm - Se vocês não assinarem, vamos tirar vocês de lá.

Soares - Nossa, mas que gestão eficiente.

Sturm - Sim, eficiente. Você não é dono daquele lugar. É público.

Soares - Mas é seu né secretário. O espaço é seu.

Sturm - Continua com seu discurso bacana e providencia com a prefeitura regional de Ermelino o fechamento do lugar. Boa sorte pra vocês. Vocês não querem. Querem fazer com esse discursinho babaca...

Soares - A gente tá conversando..

Sturm - A gente não tá conversando. Você é um chato, rapaz.

Soares - Você é totalmente desequilibrado.

Sturm - Desequilibrado é você. Se falar assim vou quebrar sua cara. Isso mesmo, vou quebrar sua cara.

Soares - Então quebra [Pausa]. Isso é um secretário de Cultura.

Sturm - Vai cuidar da sua vida. O aviso é pra fechar o prédio. Lacrar. Acabou a molecagem. Vai arranjar um lugar para fazer suas gracinhas. O coletivo articular legitimidade..

Soares - Quero ver você quebrar a minha cara.

Sturm - Não vou quebrar sua cara porque não quero sujar minha mão, tá bom?

Soares - Vamos fazer um boletim de ocorrência, de ameaça.

Sturm - Faz, faz, isso mesmo. Super democrático, bacana, articulado. Vai trabalhar...

Soares - O senhor acha que o espaço é seu. Boa sorte.

Sturm - Não é meu, é da cidade de São Paulo. Vocês são fechados. Não deixam ninguém entrar lá. Vocês não são donos de nada. Não existe essa história. Ou é público, de todo mundo...

Soares - O espaço é aberto a todos. Você é o dono da cidade?

Sturm - Eu decido mais que você. O prefeito foi eleito, você não foi...

Soares - ...não decide nada.

Sturm - ...você invadiu um lugar e achou que é seu. Você é um invasor. E será devidamente expulso. Passar bem.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber